Preparação de Tela

É comum encontrar telas para pintura feitas com tecidos de algodão com poucos fios por centímetro quadrado. O resultado disso é um acabamento poroso e muito rústico na superfície da tela. Os fabricantes brasileiros dão um acabamento as telas com uma base que na grande maioria da vezes é o mesmo que nada. As telas brasileiras são todas assim, bem diferentes das telas americanas e européias, que são feitas quase sempre de linho e possuem um acabamento muito mais liso, pois as demãos da base são sempre mais espessas e geralmente usadas de modo duplo, característica conhecida pelos artistas desde o período barroco como double priming ou double ground. 

Portanto, nas telas nacionais é sempre visível, principalmente nas áreas onde a tinta permaneceu mais fina, os largos poros do tecido, criando uma textura de pontos ou pequenos buracos que podem ser vistos á distância e que nem sempre são convenientes aos artistas. Além disso, esse tipo de tecido costuma absorver demais o óleo da tinta, fazendo com que as pinceladas fiquem sutis e acanhadas. A tela quando adequada, torna as marcas e pinceladas de tinta mais notáveis, valorizando a estética pictórica.


Textura de tela não preparada

A verdade é que a grande maioria dos pintores brasileiros não se incomodam com essa característica pois não possuem um outro parâmetro de comparação. Já ensinamos anteriormente aqui em nosso site, como preparar painéis similares aos usados tradicionalmente na antiguidade, assim como as diferenças de bases tradicionais para esses painéis. Os alunos de nosso curso de Pintura Clássica (turmas presenciais e online) também aprendem como preparar uma base adequada, mas nunca houve um artigo aqui no site, apresentando uma solução para aquilo que os artistas mais precisam: bases adequadas para telas

Esse artigo tem como intuito ensinar uma solução prática e segura para esse problema dos pintores brasileiros, dando um acabamento mais adequado as telas encontradas em nosso mercado. Essa receita portanto, não leva nenhum ingrediente exótico, complicado de achar ou que tenha de ser importado. A idéia é realmente criar uma base fácil, prática e descomplicada para o público brasileiro. Há muitas outras possibilidades para bases, mas que não serão discutidas aqui por serem mais complicadas, mais dispendiosas e principalmente por levarem ingredientes que não se encontram em várias partes do Brasil.

A base ou preparação de tela que sugerimos é feita em dois estágios. Em primeiro lugar, o estágio da encolagem. Em segundo, o estágio do acabamento propriamente dito. Todos os materiais usados nessa receita são encontrados em lojas de materiais artísticos por todo o pais. 

É importante que o artista entenda quais são as funções de cada um desses estágios: a encolagem irá funcionar como um isolante, impedindo que o óleo seja sugado pela tela, produzindo o que chamamos de superfície não-absorvente. O segundo estágio, do acabamento, irá fechar os poros do algodão, tornando a tela mais lisa e consequentemente também menos absorvente.


Preparando a base numa tela de Linho

1. Encolagem
Adicione um pouco de cola PVA (polivinílica, também chamada de cola branca escolar) num recipiente descartável e adicione um pouco de água. A água fará com que a cola torne-se menos espessa, fazendo com que sua aplicação seja mais fácil e com que penetre com mais facilidade nos poros do tecido. Aplique com uma trincha larga, não esquecendo de aplicar também nas lateriais. Tenha certeza de que a sua demão não é nem muito fina e nem muito grossa.

O tempo de secagem irá variar conforme a temperatura do ambiente. Em época de calor, é possível observar a secagem em aproximadamente 30 minutos, enquanto no frio é possível que demore até duas horas, dependendo da quantidade de cola usada nessa demão. Lave imediatamente a trincha após o uso, com água abundante, a cola tende a secar mais rápido nas cerdas do pincel.

Cola PVA Cascorez

É possível usar o suporte apenas com uma única demão, mas já observamos que a segunda demão garante de modo mais adequado que todos os poros sejam completamente fechados. A diferença entre preparações que receberam apenas uma demão, para aquelas com duas, é significativa, portanto, dê preferência para duas demãos.

Tenha absoluta certeza de que a primeira demão está completamente seca para que a segunda demão seja aplicada. A segunda demão de cola costuma demorar um pouco mais do que a primeira para secar completamente. Mantenha o suporte na horizontal, em lugar que não pegue poeira, até que a demão fique seca.

2. Acabamento
Para o acabamento final, é necessário uma demão moderada, isto é, nem grossa e nem fina, também feito com uma trincha, de gesso acrílico. Achado em toda loja de material artístico, o gesso acrílico também pode ser chamado por alguns fabricantes de base acrílica. Para ter certeza de que se trata do mesmo produto, cheque os componentes do rótulo, procurando por emulsão de resina acrílica com cargas inertes, esses são os principais componentes do gesso acrílico. Boas marcas de gesso acrílico no Brasil são da Cromacolor, Corfix e Acrilex.


Gesso Acrílico Cromacolor

É importante colocar um pouco de água misturada ao gesso, aproximadamente 20%, para que não se forme tantas ranhuras e para que a textura do pincel não apareça. Caso você ache interessante que a textura do pincel e da aplicação apareça, não dilua em água, use o gesso acrílico puro. É possível adicionar um pouco de tinta acrílica ao gesso acrílico para tonificar ou dar cor a base, caso o artista queira uma espécie de imprimatura.

A demão de gesso acrílico necessita dos mesmos cuidados que a encolagem: o suporte deve permanecer na horizontal enquanto o gesso acrílico seca, num local longe de poeira e se possível, numa área arejada. A base costuma estar pronta somente com uma demão de gesso acrílico, mas caso o artista queira um acabamento ainda mais liso, é possivel aplicar mais uma ou duas demãos de gesso acrílico, contanto que as camadas não sejam grossas demais e que a camada anterior esteja completamente seca.

2.1. Dando "cor" a Tela (Imprimatura)
É possível "tingir" a tela a ser usada, para retirar o branco que incomoda um pouco a visão de no ato da pintura. Essa cor que se dá a tela é chamada de imprimatura. Nesse caso, pode ser feito de duas maneiras. A primeira maneira é colocar tinta acrílica diretamente no gesso para que o mesmo fique "colorido". A segunda, é dar uma demão de tinta acrílica na tela, após o gesso ter secado completamente, com uma ou mais demãos da cor desejada de tinta acrílica. Se o artista desejar pintar um exercício preto e branco, basta colocar um pouco de tinta acrílica preto e branca no gesso, misturar bem e aplicar na tela. Se o artista fará um exercício colorido, várias cores podem ser usadas como cor de imprimatura.

2.1.1. Imprimatura a Óleo
Também é possível fazer uma imprimatura a óleo. literalmente aplicando uma demão de tinta a óleo por cima da base de gesso acrílico já seca. Lembre-se que essa imprimatura levará muito mais tempo a secar, geralmente entre três dias e uma semana, dependendo da quantidade de tinta óleo que se aplica e da temperatura ambiente. É importante notar que o resultado de uma demão de imprimatura feita a óleo produz uma superfície muito superior para se trabalhar do que a imprimatura feita com tinta acrílica, o suporte se torna menos absorvente, deixando as pinceladas mais aparentes além de ser uma superfície mais sedosa para o deslizar da tinta. Portanto, apesar de ser mais demorada para secar, pode valer a pena por sua qualidade superior, apesar do trabalho.

3. Método Moderno vs Tradicionais
Como discutido anteriormente, o método descrito aqui tem o intuito de ser prático e seguro, especialmente para melhorar a base de telas compradas em lojas de materiais artísticos, compreendendo um método moderno e descomplicado de preparação. 

Portanto, não é um método tradicional, mas um método acessível aos brasileiros. Se voce deseja o método tradicional, leia nossos outros artigos sobre painéis e bases, na barra lateral esquerda desse site. É importante salientar que os materiais usados nos métodos tradicionais são mais difíceis de se encontrar e sua preparação além de mais complexa, é mais carademorada.

Se voce está procurando aprender mais sobre os materiaistécnicas de pintura, clique aqui e veja nossos cursos de pintura, presenciais (São Paulo) e online. Para ler mais artigos como esse, clique nos items do menu a esquerda.

BIBLIOGRAFIA
GOTTSENGEN, Mark David; Painters Handbook; Watson-Guptill; 2006.
AMIEN; Art Materials Information and Education Center; 2013.
MAYER; Ralph; Manual do Artista; Martins Fontes; 1950; 1957 e 1970.
MOTTA, Edson; SALGADO, Maria; Iniciação a Pintura; Editora Nova Fronteira; 1976.

40 comentários:

  1. Ótimo artigo , porém a cola é ácida, convém usar cola com PH neuto, ou misturar um pouco de hidrdóxido de magnésio (leite de magnésia )para neutralizar a acidez da cola pva, sendo assim uma opção mais em conta devido aos altos preços das colas com PH neutro. Será que mistutar mais de 30% de água ao gesso acrílico não (quebra) o filme do gesso?

    Obrigado
    Luciano Cortopassi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano. A adição de leite de magnésio a cola PVA foi ensinado em nosso artigo "Colas e Isolantes", dez anos atrás (publicado em 2010). Voce irá encontrar o artigo na barra lateral a esquerda. Resolvi não incluir o processo pois a cola não é tão ácida assim, constatado através de nossos testes de PH e também por tornar o processo mais complicado. A idéia era ensinar um procedimento simples e prático, sem muitos materiais ou etapas. A proporção entre gesso e água é de 30% ou 20%, não há perigo, sendo que o filme só é formado após a evaporação total da água.

      Excluir
  2. Muito bom! Eu gosto de passar o gesso acrílico com aquelas ezpátulas de silicone encontradas em lojas de tintas e materiais de construção. Geralmente uso 3 camadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amanda! Obrigado! As espátulas de silicone são úteis e podem ser usadas sem nenhum problema, contanto que a camada de gesso não fique excessivamente espessa! No entanto, se você usar um pouco de água no gesso acrílico para retirar a marcas da aplicação, fica mais difícil usar as espátulas, a não ser que voce aplique com a trincha e use-as somente para espalhar. Um grande abraço!

      Excluir
  3. Parabéns pelo artigo, para reforçar a imprimação de telas já preparadas que compramos no mercado, também é necessário preparar a Encolagem
    com um pouco de cola PVA?ou somente o Gesso Acrílico é suficiente.muito obrigado Cozinha da Pintura. Kolley Nardi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Kolley, mesmo que a tela comprada tenha uma base, é melhor fazer a encolagem por cima da base original e depois o gesso acrílico. As bases que os fabricantes usam praticamente não funcionam para nada. Grande abraço!

      Excluir
    2. Muito obrigado pela gentileza, gratidão amigo.

      Excluir
  4. Uma dúvida: Nos tecidos de algodão crú, o procedimento é o mesmo, ou é necessário outra proporção, visto que o algodão é mais absorvente que o linho?
    Outra duvida: posso fazer a encolagem e passar o gesso num bastidor a parte e depois esticar na tela?

    Obrigado
    Parabéns pelaa postagens
    Ótimo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luciano, na verdade nem todo algodão absorve mais do que o linho. A quantidade de fio por centimetro quadrado costuma afetar bastante a absorção nos tecidos crus, portanto essa variante afeta muito a absorção: a trama do tecido. A proporção de água variando dentre 30% ou 20% não fará muito diferença a menos que o tecido seja extremamente absorvente, como o caso de uma juta de trama larga ou linho de trama larga, tecidos que costumam absorver bastante.

      Aplicar a base no tecido antes de estica-lo no chassis é um procedimento muito comum e pode ser feito sim, contanto que o tecido seja esticado adequadamente. É preciso muito cuidado para criar a tensão ideal para que o tecido não fique com folga e ao mesmo tempo para não esticá-lo a ponto de romper o gesso nos cantos. Não é difícil, requer uma ou duas tentativas pra dominar como se estica adequadamente.

      Muito obrigado pelos comentários generosos. Grande abraço!

      Excluir
  5. Muito obrigado pelas respostas, estou fazendo testes, e a diluição do pva e do gesso ficaram perfeitas como vocês indicaram. Mais tenho outra dúvida.
    Quanto a aplicação do gesso acrílico,mesmo diluído em água na proporção indicada noto marca das cerdas das trinchas comuns.
    Comecei a aplicar com outra trincha de pelo macio similar ao pelo de marta,para obter um acabamento mais suave. É válido este procedimento? Posso diluir também o gesso ao invés de água com base acrílica, da marca cromacolor ou ( verniz acrilico brilhante) vendido nas casas de materiais artísticos?

    Muito grato
    Parabéns novamente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano! O uso de trincha com pelos macios com certeza ajudará na diminuição de marcas de pinceladas. Só não esqueça de lavar imediatamente a trincha, pois o gesso acrílico se deposita facilmente no ferrolho e depois de seco é bem mais dificil de se remover. Nunca fizemos a mistura dessa base acrílica da Cromacolor misturada ao gesso. É muito possível que não haja nenhum problema pois ambos são polímeros acrílicos. Quanto ao verniz, eu pessoalmente evitaria misturá-los. Abraço!

      Excluir
  6. Olá Márcio!
    Tenho muita vontade de produzir uma série de pinturas em linho crú mantendo a cor original do tecido, uma vez que a ideia é não cobrir todo o painel com a pintura . Tela de linho puro à venda no Brasil só encontrei da Sinoart, porém ela já vem preparada com a base branca, como uma tela normal. As importadas com o linho em seu aspecto natural são caríssimas, então estou querendo preparar meus próprios painéis. Você saberia me dizer como posso fazer o preparo desse tecido para que ele receba a pintura a óleo de forma segura?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlo! É muito simples: a opção mais fácil é o uso da cola PVA com um pouco de água e uma colher de leite de magnésio para baixar a acidez da cola. Use na encolagem do tecido pelo menos duas demãos. A outra opção, é o uso de cola animal, se você não for vegano. Temos um tutorial aqui no site explicando a preparação dessa cola, use uma demão e deixe secar. Ambas opções servirão como uma base que isola a tinta do suporte e ambas transparentes. Grande abraço!

      Excluir
  7. Olá!
    Gostaria de saber se a utilização do gesso acrilico é nescessaria na preparação da tela para pintura com tinta acrilica. E se há nescessidade da etapa com cola se utilizar apenas o gesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há necessidade de encolagem caso haja gesso acrílico. O gesso não é necessário, mas ajuda a dar acabamento mais liso na tela. Abraço!

      Excluir
  8. Olá! Obrigada pelo texto!
    Eu fiz recentemente o meu próprio gesso seguindo uma receita que vi na internet, e parecia ter dado super certo até esticar a tela no chassis. Quando esticada, ela rachou ao longo de toda parte que foi dobrada, como se o gesso tivesse quebrado (elas foram pintadas com têmpera de ovo). Como já tinha pintado assim antes só que com um gesso pronto, fiquei pensando que o problema seja relativo ao gesso que fiz.
    Sendo assim, você acha que se passar a cola antes ela previne essas rachaduras por dar mais elasticidade?
    Melhor comprar o gesso pronto para não ter esse tipo de problema ao esticar a tela no chassis?
    obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe uma infinidade de informação por aí que não procede. Canso de encontrar videos, textos, PDF´s feitos por artistas com informações absurdas de como preparar materiais. Já me deparei com informações absolutamente ridículas e isso costuma acontecer com certa frequência. É necessário cuidado extremo. Em primeiro lugar, entenda qual a experiência de quem escreve o texto ou grava o video disónibilizado. Em segundo, procure a bibliografia do artigo: todo texto deve informar de onde pesquisou as informações que disponibiliza, geralmente colocando uma bibliografia. Em terceiro, procure outras opiniões e cruze a informação.

      Preparar gesso pode parecer simples por que os ingredientes são poucos, mas é importantissimo que os ingredientes sejam adequados e que sua proporção seja correta. Para isso, é preciso experimentar diversas vezes até aceitar a receita. É por isso que NUNCA ensinei aqui em nosso site como fazer gesso, pois sei que invariavelmente, há problemas. A receita de fazer bases tradicionais é menos complicada, e ainda assim, também dá problemas.

      Recomendo que SEMPRE use o gesso acrílico pronto, pois a receita foi testada pela fabricante inumeras vezes e os materiais usados são polímeros adequados em sua elasticidade.

      É sempre melhor aplicar o gesso no tecido já esticado, para evitar que uma tensão posterior não esgarçe o tecido e provoque o rompimento do gesso.

      Se a idéia é, no entanto, aplicar o gesso num tecido que será esticado posteriormente, é preciso que a tensão conseguida durante o ato da esticagem seja perfeita. Isso pode exigir algumas experiências prévias.

      Excluir
    2. Muito obrigada pela resposta!
      Realmente a procedência das receitas é um pouco duvidosa, então vou comprar o gesso pronto.
      obrigada!

      Excluir
  9. Um artigo muito interessante, assim como todos os demais encontrados no site. Eu tenho uma dúvida e eu sempre confundo esses conceitos, eu pensava que preparar a tela dessa forma já era o processo de imprimmatura.

    A dúvida é que preparo minhas telas com uma receita onde se mistura, cola, tinta pva acrílica e água para diluir. Esse processo é por acaso "parente" destes descritos aqui? Notei que as telas jamais se alteraram ou sofreram algum processo, mas fiquei curioso pelo aspecto químico desta mistura.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imprimatura é tonificar ou colorir a base. O processo que voce tem usado funciona comouma encolagem que protege o tecido da tinta a óleo, funciona de modo similar ao que ensino nesse artigo. No entanto, penso que a presença da tinta PVA acrilica é redundante já que há cola na mistura.

      Excluir
  10. Boa tarde. Certa vez, apliquei no algodão cru apenas o acrílico, sem a cola. Quando fui usar, pintar, percebi que a tinta era rapidamente absorvida, que a tinta não espalhava bem, que a pincelada não se estendia muito. Será que isso se devia à não aplicação da cola? Obg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é exatamente por isso que ensino no artigo acima a fazer uma encolagem com cola PVA. Abraço!

      Excluir
  11. Olá, posso pintar apenas por cima da encolagem ou preciso fazer os dois passos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Choi! Não há nenhum estudo científico que mostre a reação que o óleo pode causar por cima da película de cola PVA, portanto, não acho seguro confiar totalmente numa pintura feita por cima da encolagem. Pode ocorrer algum tipo de reação entre o óleo e a película, ou algum problema de adesão. A demão de gesso acrílico, por outro lado, forma uma película resiliente que adere bem a cola e tambem oferece uma superfície segura para o óleo sem nenhum tipo de reação. Caso voce vá pintar uma encomenda importante, recomendo que prepare corretamente, usando o gesso acrilico. Caso seja somente um estudo, é possível arriscar pintando por cima da encolagem, mas, lembre-se que é por conta e risco. Conhecço alguns artistas que o fazem, mas é importante lembrar que no futuro, pode ocorrer algum tipo de problema de conservação, com sorte, pode não ocorrer. Abraço!

      Excluir
  12. Ótimo artigo , a uma cola barata que alguns pintores da Austrália , ou que pensam em ecologia estão usando como cola de prepara mento para tela , cola CMC, mui barata a única desvantagem que é removível. Ouvi certa vez de um artista experiente que o carbonato de cálcio além de carga ajuda a controlar o PH não sei se essa informação química procede,Mas essa cola derivada de celulose realmente vi usando .Ótimo trabalho !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Emerson! O Carboximetilculelose é uma cola de base acquosa que funciona muito bem para papel, mas tenho minhas dúvidas quanto a sua adesão em superfícies mais fortes como algodão ou outros tecidos. Eu sinceramente continuaria a usar o PVA. O Carbonato de Calcio é um agente inerte, portanto ele não modifica a nivel químico ou atraves de reação os outros agentes. Para mudar o PH da cola é possível adicionar um pouco de leite de magnésia, como já visto aqui no site. Um grande abraço!

      Excluir
  13. Bom dia. Costumo colar o tecido, antes de prepará-lo, sobre uma folha de duratex. Mas durante a secagem, a folha de duratex tende a empenar um pouco. Poderia dizer como usar de modo adequado a folha de duratex, de modo que não empene durante o uso? Obg!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Rogério. Eu não acredito que a chapa de Duratex seja uma opção boa para a conservação em longo prazo. O ideal nesse caso, seria colar um chassis de madeira no verso da placa de Duratex, para impedir que a placa dobre. Grande abraço!

      Excluir
  14. Blog sem igual!!!
    Poderia dizer a relação água x pva idéia para a encolagem. Seria 50% de cada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leo! Sim, uma parte de cola e uma parte de agua é uma boa proporção! Abraço!

      Excluir
  15. Pode ser qualquer cola pva? A cascorez tem o pH de 4 a 5, e tem uma outra que eu utilizo que é 4 a 6.
    E depois de feito a e colagem pode utilizar uma mistura de tinta látex acrílica, gesso comum e cola para o primer? Um professor da faculdade ensinou assim e vi algumas pessoas fazendo o mesmo no YouTube

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cola PVA deve ter o menor nível de acidez possível.

      Tinta látex e gesso comum não são materiais adequados para se usar em preparação de suportes. São desenvolvidos para ter vida curta, obrigando o cliente a pintar novamente sua casa ou aquilo que foi pintado com o material. Os materiais da industria de construção civil são feitos para que a industria ganhe dinheiro e não que sua casa fique pintada para o resto da vida. É por isso que os materiais tem vida curta.

      Cuidado com o que voce lê ou escuta por aí, e também com os videos no Youtube, muito material sem embasamento teórico algum. Muitos artistas possuem um conhecimento ingênuo sobre a durabilidade e permanência dos materiais, não é sensato confiar simplesmente por que a pessoa em questão é um pintor, há muitos profissionais desinformados e completamente desatualizados, como em qualquer outra área.

      Os únicos gessos que podem ser usados em bases para pintura artística são o gesso crê e o gesso acrílico. O gesso comum é extremamente quebradiço e não retem elasticidade quando aplicado em camadas finas sobre suportes flexíveis, por isso ele não deve ser usado jamais para procedimentos artisticos.

      Veja que a receita de base que lhe passaram, além de levar materiais inadequados, não faz sentido. No lugar da tinta latex, que também se torna quebradiça, use tinta acrílica artistica ou, melhor ainda, pigmento como o branco de titânio, caso queira que a base fique mais clara ainda, embora não seja necessário. O gesso acrílico já é claro o suficiente e portanto não precisa de uma tinta acrílica misturada a ele. O gesso crê possívelmente pode ser clareado com titânio, mas é um material mais difícil de se encontrar do que o gesso acrílico, além de que ele deve ser preparado, enquanto que o gesso acrílico já é vendido pronto.

      Para o que serviria a cola misturada a tinta latex? Se a cola já fez seu papel na encolagem, o que ela faria misturada a tinta látex? A cola já selou o suporte na encolagem. Usar a cola novamente, misturada a tinta, por cima da encolagem não faz sentido.

      O material ideal para se colocar sobre a encolagem é o gesso. Tanto o crê quanto o acrílico (procure aqui no site os artigos onde ensino como preparar a base deita de gesso crê). A receita que passaram a voce faz uso do latex por cima da encolagem por ser um material muito mais barato do que os gessos que mencionei a voce. Mas, o barato sempre sai caro e voce deve investir em materiais adequados. O gesso acrílico não é tão caro a ponto de precisar ser retirado da preparação e substituido por uma tinta usada na industria civil, é uma péssima idéia, ainda mais por que a economia nesse caso é irrisória.

      Após a aplicação do gesso acrílico, é possível aplicar uma demão da tinta que você era usar (tinta acrílica, ou óleo) para que o gesso não fique muito absorvente, mas isso não é necessário. É perfeitamente possível construir a preparação somente com uma encolagem dupla e o gesso como base.

      Essa é uma maneira lógica e segura de se preparar uma tela. Desse modo, não ocorrerá nenhum problema com a integridade de sua obra, além de não ser dispendioso.

      Excluir
    2. Entendi, obrigado pela atenção.
      Só mais uma pergunta, o gesso crê seria carbonato de cálcio?

      Excluir
    3. Olá Igor! Não, são materiais diferentes. Apesar de ambos serem basicamente compostos de calcita e minérios similares, o carbonato de cálcio é uma forma mais pura de calcita e o gesso crê um material composto mais complexo. Se comportam de maneira diferente quando usados como ingredientes para base.

      Excluir
  16. Boa noite, quantas camadas de gesso acrílico eu preciso passar na tela para que não vaze atrás e fique totalmente seguro? Quero trabalhar com impasto em uma tela, porém vi que a qualidade das telas compradas no Brasil é bem baixa, estou com medo que apenas 4 camadas de gesso não dê conta, vi em um post aqui no blog na parte ''Bases para Pintura'' que você recomenda de 5 a 8 demãos finas de gesso, é totalmente seguro essa quantidade na preparação? Tenho medo que seja um número excessivo e possa prejudicar as camadas pictóricas, sou iniciante na pintura e gostaria que você me respondesse essa questão se possível, obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A encolagem é mais importante do que o gesso para evitar que o óleo chegue no tecido. Faça uam encolagem dupla como ensino no artigo. As quatro demãos de gesso por cima da encolagem dupla são suficientes.

      Excluir
    2. Antônia, favor ler nosso artigo "Bases para Pintura". Já faz mais de 10 anos que ele foi escrito, aproveitei para atualizar varias informações desse artigo. Se você o leu recentemente, peço que desconsidere as informações antigas e considere somente a nova versão agora no ar. Ao longo desses anos, notei como essas receitas poderiam ser melhoradas mas nunca me lembrava de arrumar as informações. Graças a sua mensagem, aproveitei para fazer as alterações. Obrigado!

      Excluir
  17. O mais incrível é que não encontrei, nenhuma receita realmente antiga. Tudo agora é pronto. Por curiosidade entrei no Google para ver o que ensinam. Um desastre total. Até pra entocar tecido no chassi quase caí dura. O senhor ainda é o que dá mais luz para principiantes. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se voce procura receitas de um método tradicional, leia o artigo "bases para pintura". A receita que eu dou nesse artigo é similar a muitas receitas que aprendi lendo tratados italianos e holandeses do periodo barroco.

      Existe muita desinformação na internet. Semopre existiu, mas de uns anos para cá, está realmente demais. Muito material de péssima qualidade, gente copiando gente, que copia gente... e a informação vai se diluindo nessas passagens. Abraços!

      Excluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!