quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Semicerrando os Olhos

Diversas vezes ressaltei sobre alguns métodos de visualização que funcionam como auxiliares fundamentais da prática da pintura clássica para nossos leitores e alunos. Mas a maioria dos pintores iniciantes não conferem a importância que essas ferramentas merecem durante a pintura. Uma delas é praticada há centenas de anos nos ateliês clássicos, uma "dica" passada pelos Mestres aos pupilos, mas que não é comumente encontrada em livros de pintura. 

Repare em grandes instrutores de pintura em suas famosas video-aulas: notarão que em algum ponto, todos fazem uso do "semicerrar" os olhos. Onde há fumaça há fogo, portanto, se voce não costuma usar desse procedimento durante suas pinturas, está na hora de testá-lo e verificar os resultados. Há no entanto, algumas considerações teóricas que devemos ter em mente quando colocadas na prática, para seu melhor aproveitamento.

Funcionamento
O conceito é incrivelmente simples: enquanto observamos o objeto a ser pintado, o artista deve semicerrar os olhos para observar seu objeto de estudo. Faça como na figura abaixo, semicerre os olhos e observe atentamente sua referência fotográfica ou o modelo. É surpreendente o quão útil esse simples procedimento pode se tornar: semicerrar os olhos diminui a recepção de luz nos olhos, tornando tudo mais escuro e difuso. 



Artistas com alto grau de miopia podem optar por simplesmente retirarem seus óculos e tentarem enxergar o modelo com sua visão naturalmente embaçada. Pode não funcionar exatamente como o semicerrar dos olhos, portanto, é sempre interessante experimentar ambos.

Efeito
Quando pintamos, é comum tentarmos nos agarrar a pequenos detalhes que deveriam ser aplicados somente na finalização da pintura. Mas, ao fechar quase que completamente as pálpebras o pintor não consegue mais enxergar detalhes e passa a ver somente a estrutura elementar que forma a imagem, "limpando" tudo o que é supérfluo para estabelecer somente o que é fundamental: as formas geométricas básicas das formas. E não é só isso.

Essa ação reforça o contraste da visão, reforçando os limites entre meio-tom, sombras e luzes tornando essas delimitações geométricas mais fáceis de se detectar. Dessa maneira, é mais fácil encontrar as formas principais das sombras mais pesadas, dos meio-tons mais óbvios e das luzes mais altas. Para julgar melhor as relações de valor ou a cor do que se observa, semicerrar os olhos pode alterar nossa compreensão: limpando demais os valores ou escurecendo demais as cores. A ferramenta é útil para enxergarmos as formas geométricas e a topografia formada pelos valores, para "mapear" um objeto e poder então julgar melhor as distâncias entre um elemento e outro, estabelecendo uma boa proporção. Quando semicerramos os olhos, todo o detalhado "mapa" é simplificado, resultando em menos variantes, transformando uma equação complexa em algo simples. Essa simplificação nos dá a essência do objeto.


Como proceder?
Enquanto se observa o objeto a ser pintado semicerrando os olhos, o artista vai e volta percorrendo uma linha imaginária entre o objeto e a pintura. Mas lembre-se de NÃO semicerrar os olhos para observar o que está fazendo na pintura, onde e como aplica sua tinta e como estrutura os valores. Em suma: somente o objeto observado deve ser observado com os olhos semicerrados. Lembre-se também que o semicerrar é uma ferramenta para simplificar nossa visualização das formas geométricas. Para enxergar e comparar COR e VALOR é sempre melhor usar os olhos abertos. Observe, mais uma vez, nas figuras abaixos, o que o procedimento tenta revelar.


Conclusão
É importante que o artista lembre-se que não é necessário pintar o tempo todo semicerrando os olhos. É uma ferramenta auxiliar, isto é, algo que pode ser usado para colocar em prova aquilo que foi executado, ou que está sendo executado, mas comparar o que vê na realidade e o que foi feito na pintura sem necessariamente semicerrar os olhos continua sendo muito importante, afinal, é dessa forma que todos observadores fruirão a pintura, assim como voce, depois de pronta.

O grande "truque" do procedimento é que na verdade nosso cérebro pode cansar de tentar mapear exaustivamente uma imagem sempre usando o mesmo ponto de vista. Semicerrar os olhos é apenas um meio, entre muitos, para observar as formas de uma diferente perspectiva. É na mudança para um novo ponto de vista que as vezes conseguimos detectar o que olhos bem abertos estão cansados demais para distinguir.

9 comentários:

  1. ja estava com saudades dos seus sempre interessantes e esclarecedores textos rsrs... realmente essa "dica" eh mesmo quase sempre ignorada ou subestimada pelos artistas, eu mesmo nunca havia dado a ela sua devida importancia, ate ver como todos os artistas a utilizam e testar na pratica sua eficacia, e vi realmente o quanto esse simples truque faz TODA DIFERENÇA!!! Parabens Marcio....

    ResponderExcluir
  2. Caro Alison, fico muito grato por ter escrito algumas palavras. Sim, é muito útil, a maioria das academias norte americanas usa o sistema. Não ouvimos ninguem falar disso aqui. O Paulinho, sei que usa, mas não sei sobre os outros colegas. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ótima técnica Márcio! Tenho usado também o espelho (quem não conhece é quando você fica de costas para a pintura ou desenho e olha através do espelho o quadro) que é de extrema importância, pois consigo verificar proporção luz e sombra. Outra técnica que me ajuda bastante é olhar a figura como formas geométricas e mais do que isso é observar a ligação que a sombra e a luz (é bom pensar em dois polos: sombras...luz...cada um mapeando um caminho) conduz pelo o rosto. Um livro maravilhoso lançado em português é O desenho da figura humana (The Human Figure) do John H. Vanderpoel que é um verdadeiro Mestre. E a última que eu aprendi com Louis Smith que é fotografar (digital) e conferir rápido os erros, pois ele diz que o cérebro tende a compensar os erros e a passar por cima em pouco tempo.
    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Marcio as publicações da cozinha tem me dado muita força e orientação na retomada das minhas atividades de pintura óleo, observei que a cozinha tem um curso de pintura clássica eu tenho um grande desejo em fazê-lo entretanto a distância não permite, sou de pernambuco e esse é o problema, por isso quero peguntar se vocês da cozinha comercializa algum tipo de material,livros ou manuais das aulas ministradas, ressaltando que não se compara com o curso ministrado na presença. Obrigado e parabéns pelo material postado. Contato: allys.arq@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. marcio, parabens pelo seu blog! muito util para quem nao tem acesso a cursos e informacoes confiaveis. gostaria de saber algo mais sobre a tecnica chiaro scuro, vc tem algum post sobre isso ou pretende escrever sobre isso no futuro? desde ja obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Olá Marcio, eu já usava esse método as vezes, mais não sabia de todas as explicações que você colocou , parabéns, sempre ajudando muito! Obrigado abraços

    ResponderExcluir
  7. Olá Márcio, descobri seu blog hoje... Meu Deus, como pude viver e pensar que sabia algo sobre arte até hoje!!! Adorei o seu método de falar sobre vários assuntos que sempre tive dúvidas...quero ter a oportunidade de ir à SP e fazer algumas oficinas com você. Obrigada por todo o material postado, e não sei como tem tempo pra. responder à nós, simples mortais,rsrs. Eu às vezes, olho minhas telas no espelho... Fica interessante... abraços ao meu mestre online,rsrs

    ResponderExcluir
  8. Cara Hirtes, muito obrigado pelos elogios tão simpáticos! Fico muito contente que tenha descoberto a Cozinha e esteja se beneficiando do conhecimento partilhado! Será muito bem vinda em nosso ateliê! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Amei esse site. Tirei muitas dúvidas e vou reforçar os estudos. Sucesso!

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!