quarta-feira, 6 de junho de 2012

Perguntas e Respostas

Há dois anos atrás a Cozinha da Pintura começou a disponibilizar artigos com conteúdo inédito na língua portuguesa, de forma integral e gratuita. Desde então, somam-se mais de 50 artigos, explicando detalhadamente inúmeros assuntos pertinentes a pintura a óleo e têmpera. O Blog tornou-se ponto de referência e um forte formador de opiniões, recebendo e-mails de todo o território nacional com frequência diária, não somente de artistas, mas da indústria de materiais artísticos, lojistas, importadores, instituições de conservação, restauro e ensino.

Esses e-mails são elogios, comentários, sugestões e na maior parte das vezes, perguntas referentes a procedimentos e dúvidas quanto a técnicas e materiais de pintura. Durante esses dois anos, absolutamente todos os e-mails recebidos com perguntas foram respondidos, sem nenhuma exceção. A Cozinha tornou-se uma ferramenta de consulta e tem orgulho em dizer que hoje colabora como consultor de artistas de renome, artistas amadores, Professores, Mestres, Doutores e estudantes de Artes Visuais, principalmente nas regiões de São Paulo e no Rio de Janeiro.


Hoje as perguntas e dúvidas recebidas via email, assim como pelo Facebook, são tantas que tornou-se impraticável respondê-las. O volume tornou o serviço que antes era oferecido sem muito esforço, algo impossível. Como se isso não fosse o bastante, diversos leitores de pouco bom senso se acostumaram a enviar frequentemente dezenas de perguntas exigindo que todas sejam respondidas gratuitamente. Não é justo que alguns paguem pelo serviço e outros obtenham soluções de forma gratuita, por mais simples e básica que pareça a pergunta.

Mas, temos consciência que nem todos possuem condições de pagar por esse serviço, ainda mais quando a pintura é na verdade um hobby e não um atividade profissional. Para os entusiastas, hobbistas e amadores, perguntas simples e dúvidas básicas poderão ser respondidas, quando tivermos disponibilidade de tempo. Tornou-se necessário priorizar o atendimento aos artistas que pagam por esse serviço e assim contribuem para que nossa pesquisa prossiga.

Somos imensamente gratos por todas as visitas, elogios, mensagens e atenção dada por todos os artistas que nos escrevem. Esperamos que compreendam a atual situação e continuem a usufruir dos artigos que continuarão disponíveis no ar de forma gratuita. E, aguardem, sempre novos artigos!

Um grande abraço!
Cozinha da Pintura




Alguns de nossos alunos, durante a fatura de tinta
a óleo artesanal, seguindo receita de precisão histórica.

16 comentários:

  1. Caros amigos da Cozinha da Pintura. Acho essencial que o serviço de voces seja remunerado de alguma forma. Afinal, a qualidade de conteúdo de voces é algo que não há paralelo. Já tive algumas perguntas respondidas pelo Márcio, que foi extremamente atencioso e paciente, resolvendo completamente minha dúvida e arranjando uma solução perfeita. Ficarei muito feliz em consultor futuramente a Cozinha como serviço de consultoria pago. Um abraço a todos!

    ResponderExcluir
  2. Tão de parabens pela iniciativa, tenho aq em meus favoritos e leio varios artigos. \o/

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Marcelo! Agradeço as palavras e sua visita! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Miguel, agradeço a compreensão e a força! Atenderemos atenciosamente suas perguntas! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Márcio, a Cozinha da Pintura possui um conteúdo "impar" no Brasil. Concordo plenamente com o artigo. Sei muito bem o quanto é difícil viver de arte no "País do Futebol". Você tem minha admiração. Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Paulo, agradeço seu apoio, que para mim significa muito. Obrigado pelas palavras tão gentis. Um forte abraço!

    Seu colega e amigo,
    Marcio

    ResponderExcluir
  7. Acho certo e além do mais exigir de você é demais! Na verdade nada que seja na marra funciona.O que você fez,disponibilizando um conteúdo como esse é inestimável.Já tinha me acostumado a buscar de maneira solitária as respostas para as minhas duvidas.E foi uma felicidade descobrir que minhas conclusões como Profissional estavam certas,comparando com suas observações e tão meticuloso conteúdo.Já lhe disse antes,e muitos aqui também,isso é digno de ser impresso,de ter um livro que seria um compêndio que jamais foi escrito com tanta paciência e entendimento.Continue amigo! Um abração
    Ancerg

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo Ancerg, agradeço a compreensão e suas generosas palavras! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Acredido que nós, o público do Cozinha da Pintura devemos também agradecer, pois o conhecimento compartilhado através do blog é de enorme valor estético, cultural e técnico.

    Obrigado Márcio, pela generosidade em dispor tempo para escrever abertamente sobre um assunto tão incrível que é a arte da pintura.

    Atenciosamente, Leandro M. Miranda

    ResponderExcluir
  10. Agradeço pelo gentil comentário, Leandro. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. sou um grande apreciador do trabalho de vocês,parabéns mas gostaria de saber sobre pintura em violino, e cello, sua cores comoo preparar, desde já agradeço obrigado abração

    ResponderExcluir
  12. Olá Anônimo, interessante questão essa. Há muito material sobre o assunto em várias línguas. O que lhe posso adiantar, é que os vernizes históricos mais famosos para violinos, como do Stradivarius, eram compostos provavelmente em dois estágios: um primeiro que sela a madeira e lhe dá cor, com auxílio de alguma laca animal como o cochineal, que deve ser fixado com um agente metálico, como o alumínio (para formar a laca), e o segundo, um verniz resistente que dê brilho e seja irreversível, como o Âmbar.

    Apesar das inúmeras especulações, a receita para esses vernizes históricos foram perdidas e várias possuem descrição vaga, portanto, não podemos ter absoluta certeza sobre sua fatura, mas uma idéia que chegue perto, baseada na poucas receitas que chegaram a nossos dias. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Também é importante lembrar que o "segredo" não é somente a composição do verniz, mas a maneira como esse era aplicado, o ponto de viscosidade, os pincéis usados, a quantidade de demãos, tempo de secagem e como se dava o polimento do verniz acabado.

    ResponderExcluir
  14. Marcio, este link é pertinente a restauração o que me deixou perplexo. Abraços!!
    http://cultura.elpais.com/cultura/2012/08/21/actualidad/1345563468_581914.html

    ResponderExcluir
  15. Caro amigo Celso, é realmente uma pena que uma pintura do século 12 teve um destino tão terrível quanto a esse. Me parece responsabilidade muito maior da paróquia do que da senhora que executou o serviço. É necessário cuidar e zelar por nossos acervos! Um grande abraço e fiquei muito contente em ver sua mensagem!

    ResponderExcluir
  16. Prezados amigos, só há pouco me deparei com esta página, não sem antes ter encaminhado uma mensagem, por e-mail, de agradecimento ao trabalho aqui posto e tão rico de conhecimento; concordo com as opiniões aqui expostas e torço que continuem aprimorando esta iniciativa sem paralelo em nosso país. Quanto ao livro, penso que a tecnologia à disposição, sua capacidade de correções e atualizações sem precedentes, permite que o seu custo e a consequente remuneração pela prestação de serviços já seja uma realidade. Um abraço a todos.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!