quarta-feira, 25 de abril de 2012

Top 5 - Tintas Premium

Adição de nota em Maio de 2014:
O artigo a seguir foi escrito em 2012. Necessita de uma revisão pois algumas marcas citadas caíram de posição, enquanto outras que não estavam na lista das 5 melhores deverão ser incluídas. Aguardem um novo e revisado TOP5.

Já fazem praticamente três anos que começamos a avaliar algumas marcas de tintas, culminando num breve artigo que analisava algumas dessas marcas testadas. Nesse meio tempo, outras marcas que não tiveram a chance de entrar nessa pesquisa acabaram por passar por alguns teste novos recentemente, algo que ficamos devendo aos leitores: uma lista com as cinco melhores tintas da atualidade, o topo do topo, as melhores tintas das linhas "premium". 

A colocação das outras marcas que ficaram abaixo desse TOP 5 não é mostrado nesse artigo, pois a idéia é mostrar o que há de melhor: as cinco finalistas de uma lista de 35 linhas de tintas. Note que, a Cozinha da Pintura não considera as tintas que ficaram abaixo do TOP 5 como tintas de máqualidade: o intuito dessa lista é mostrar as tintas que atualmente mostram excelência extra, exacerbada, em todos os níveis, praticamente artigos de luxo. Isso não quer dizer que todos devam pintar exclusivamente com essas tintas. É somente uma interessante curiosidade, frequentemente indagada pelos leitores. Portanto, devido aos pedidos, finalmente no ar o tão esperado resultado dessa pesquisa: quais são as tintas mais luxuosas do mercado?

Mesmo procurando por o que há de melhor, decidimos avaliar na pesquisa até mesmo as tintas já consideradas de "má qualidade". Numa pesquisa acadêmica, seguindo as normas científicas, é necessário abandonar preconceitos, no sentido literal da palavra, e analisar até mesmo o que se julga como conhecimento comum. Mesmo numa pesquisa almejando encontrar o que há de melhor, o que há de pior deve entrar como um item a ser avaliado. É natural que, conforme a pesquisa segue, os produtos inadequados fiquem de fora, ainda mais nesse caso, onde mais de 30 items foram avaliados e somente os 5 últimos entrariam para a lista das "5 mais".

O começo da pesquisa mostrou-se muito fácil, principalmente para separar as tintas de alta pigmentação e baixa pigmentaçã
o. Conforme a pesquisa evoluiu, as 15 últimas marcas mostraram resultados tão próximos que dificultaram enormemente o trabalho de julgá-las, e a coisa se tornou ainda mais complicada entre as 10 marcas usadas para avaliar quais dessas seriam as 5 melhores. Para ajudar a Cozinha da Pintura nessa delicada tarefa, contamos com a opinião de colegas que através de correspondência puderam expor suas experiências com as diferentes marcas. O resultado da pesquisa é a soma dessas opiniões. Diferentes tipos de profissionais, brasileiros e estrangeiros, que de alguma forma tiveram abundante contato com as marcas avaliadas e que colaboraram com a Cozinha da Pintura. 

Método
No começo da
 avaliação, juntamos todos os tipos de tintas, inclusive as mais baratas do mercado, não houve distinção entre tintas de linha estudante e profissional. Ambas distinções foram avaliadas juntas. Dessa forma, as tintas rotuladas como "linha estudante" foram eliminadas com o desenvolvimento da pesquisa, pois as tintas "profissionais" possuem naturalmente maior carga pigmentária. Ao final da pesquisa, quando somente 15 ou 10 tintas sobraram, a análise começa a tomar um novo rumo, muito mais complicado.

Essa lista com as cinco melhores tintas disponíveis no mundo, tratando-se de produtos altamente qualificados, é o que há de melhor no mercado. Se o artista deseja produtos m
ais econômicos, o TOP 5 não é exatamente útil. Uma lista que separa as tintas de linha "profissionais" das linhas "estudante" pode ser encontrada num artigo anterior, com opções mais econômicas. É importante lembrar que praticamente qualquer tinta profissional é altamente recomendada para fins artísticos.

Todas as marcas em nossos testes foram usadas para pintura alla prima e para pintura em camadas, usando diferentes mediums, todas foram submetidas a testes de pigmentação, solubilidade de película, secagem, resistência a raios UV e amarelamento.
Critérios avaliados:
1. Proporção Veículo/Pigmento/Fillers (Carga Pigmentária/Cobertura)
2. Qualidade do Veículo (Nível de Amarelamento/Blends)
3. Disponibilidade de Cores Mono-pigmentarias
4. Qualidade do Pigmento (Intensidade das Cores/Comparação com cor clássica convencional)
5. Corpo, Densidade e Reologia (Mobilidade, Alastramento)
6. Conservação e Longevidade (Resistência, Elasticidade, Solubilidade)


Tintas avaliadas (35 linhas, 29 marcas): Corfix, Acrilex, Gato Preto, Águia, Sennelier, Louvre, Van Gogh, Amsterdan, Rembrandt, W&N Artist´s Oil, Winton, Williamsburg, Gamblin, Blue Ridge, Rublev, Maimeri Clássico, Maimeri Puro, Georgian, Mussini, Blockx, Vasari, Old Holland, Permalba, Zecchi, Da Vinci, Art Spectrum, Michael Harding, Richeson Shiva, Holbein, M. Graham, Daniel Smith, Grumbacher, Robert Doak, Norma, Reeves, LeFranc Fine Artist Oils.

Obs.: Na época em que concluímos essa pesquisa, algumas marcas importantes ficaram de fora, como a Lukas e uma das linhas da Schmicke, a Akademie, para citar somente algumas. Tinhamos um budget limitado, mas ainda assim, conseguimos o impressionante número de 35 linhas de tintas.

É interessante lembrar que as empresas de tintas costumam variar de tempos em tempos suas diferentes linhas de tintas, fazendo com que a qualidade caia ou aumente. É sempre valido experimentar a mesma marca de tempos em tempos, e descobrir se algo novo introduzido em sua formulação trouxe alguma diferença significativa.

É provavel qua a grande maioria dos leitores não se sintam familiarizados com as marcas desse TOP 5. São tintas de excelentíssima qualidade, e a maioria não é comercializada das lojas de materiais artísticos norte americanas, muito menos no Brasil. Para aqueles dispostos a investir em tintas de primeira, a Cozinha da Pintura tem o prazer de apresentar aos leitores algumas marcas desconhecidas ao público brasileiro, sequer citadas em textos ou artigos em português:

TOP 5 Cozinha da Pintura - Melhores Tintas do Mundo
As cinco linhas de tintas mostradas aqui são as melhores tintas de 35 linhas testadas, discutidas e analisadas. Seria uma perda de tempo discutir ou descrever a carga pigmentária ou a qualidade dos pigmentos usados, de cada uma delas, sendo que todas apresentam qualidades de primeira linha nesses quesitos. Portanto, descreverei somente as características mais expressivas de cada uma delas.

TOP 5

Williamsburg
A Williamsburg foi fundada no Brooklyn, Nova Iorque, em 1980. Foi desenvolvida por Carl Plansky, e em pouco tempo chegou a se tornar muito procurada por artistas de destaque nos EUA. A Williamsburg confia tanto em sua qualidade, que possui uma "garantia": caso encontre uma tinta que goste mais do que a Williamsburg, 100% de seu dinheiro é devolvido. Em 2010, a Williamsburg foi comprada pela Golden, e hoje, teme-se que a tinta perca seu cuidado e zêlo original. 

A Golden prometeu manter exatamente como antes, mas algumas cores do antigo catálogo da Williamsburg já foram descontinuadas. Um assorteamento muito interessante de terras, cores clássicas, cores modernas e cores "exclusivas" (mix de pigmentos criados pela marca). Os aspectos negativos são a quantidade de cores feitas com misturas de pigmentos e as cores fantasiosas que não possuem muito sentido numa paleta tão extensa. Algumas cores dessa linha são perfeitas, enquanto outras deixam a desejar (em diferentes quesitos). Alguns artistas acostumados a tintas com baixa carga pigmentária podem estranhar algumas cores (como as terras) pois as mesmas apresentam tamanha carga de pigmento que praticamente oferecem uma textura arenosa, de difícil cobertura e mobilidade. Isso não acontece com as variantes sintéticas e inorgânicas como os cádmios, cromos e outras. 130 cores em catálogo. 




TOP 4 
Maimeri Puro
Gianni Maimeri fundou a Maimeri em 1923, perto de Milão. A linha Puro da Maimeri clama ser feita com "nada mais do que óleo e pigmento". Embora qualquer "colour man" saiba que isso não é exatamente verdade em alguns casos, a linha Puro impressiona qualquer artista. Algumas cores possuem textura muito próxima a tinta artesanal, enquanto outras apresentam uma textura mais parecida com a das tintas industriais.

Assim como a Williamsburg, possui algumas cores não mono-pigmentárias em sua paleta, mas em menor quantidade, assim como carga pigmentária superior a mesma. Em inúmeras fontes registram uso de somente óleo de papoula e cártamo, mas claramente usa óleo de linhaça em algumas cores. Possivel uso de "blends", o que pode significar uma vantagem ou desvantagem dependendo da preferência do artista. A
 paleta da Maimeri é extremamente clássica com poucas "viagens" de nomes fantasiosos. É uma tinta muito boa, mas assim como a Williamsburg poderia disponibilizar maior quantidade de cores mono-pigmentárias. Para os amantes das terras naturais, uma opção melhor que a anterior. Excelentes cádmios. 80 cores em catálogo. 


TOP 3
Robert Doak
A empresa também foi fundada no Brooklyn, assim como a Williamsburg, por Robert Doak, um apaixonado por pigmentos que possui uma pesquisa que já soma 75 anos. Artistas de renome confessam ser clientes de Doak, como Julian Schnabel, John Currin, Cecily Brown e outros que pedem sigilo sobre sua preferência de tinta, mas que boatos confirmam a preferência pela marca. Robert trocou inúmeras vezes informações com a Cozinha da Pintura nos últimos sete anos e provou ser um dos maiores "colour man" de nosso tempo. Seu conhecimento de pigmentos, veículos e fatura de tinta a óleo é um dos mais notáveis em todo o mundo.

A consistência das tintas mudam conforme o pigmento usado, correspondendo as características de uma tinta verdadeiramente artesanal.Todas as tintas levam um blend de óleo de papoula e óleo de nozes em diferentes quantidades ajustadas para cada tipo de pigmento. 
Assim como a Williamsburg, oferece grande quantidade de cores clássicas e outras menos populares, com diversas cores "exclusivas". Destaque especial para o assorteamento de cores "raras e especiais", um leque supreendente de opções com precisão histórica. 143 cores em catálogo.



TOP 2
Vasari
A Vasari é outra marca Nova Iorquina, fundada em 1995. Assim como os outros Tops anteriores (com exceção da Maimeri) a Vasari é envazada a mão e não leva nenhum tipo de adição de cera, silicatos, carbonatos ou outros espessantes. A empresa é uma das únicas no mundo que produz exclusivamente tinta a óleo e nenhum outro produto. Tem sido a opção de muitos pintores americanos famosos como David Kassan, assim como muitos profissionais ligados ao estudo de materiais artísticos, que tem apostado na Vasari como uma das melhores tintas disponíveis nos EUA. Algumas cores dessa linha não possuem pronta entrega, sendo necessário encomendar.

A textura e reologia do produto é surpreendente, exibindo excelente alastramento, cobertura e consistência soberba, uma das melhores cargas pigmentárias do mercado, qualidade máxima de pigmento, escorrimento e amarelamento mínimo. Infelizmente, a Vasari cometeu a pouco tempo atrás um deslize imperdoável, passou a omitir o indíce de cores de seus pigmentos. Se o fato persistir, a Vasari pode perder sua posição de TOP 2 muito rápido. É preciso mostrar ao artista qual é exatamente o pigmento usado na tinta. No caso da Vasari, a Cozinha confia em sua palavra quanto ao uso de pigmento de primeira assim como na quantidade usada, baseado em experiência prévia com algumas cores que mostravam seu índice de cor. Estamos torcendo para que isso mude, e para que os tubos voltem a mostrar o índice de cor em seu rótulo, assim como antes.

Um outro ponto negativo, é a falta de informações sobre a natureza dos veículos, embora nossos testes tenham mostrado que se trata provavelmente de óleo de linhaça, mas não há como detectar qual a natureza do mesmo (se é prensado a frio ou a calor ou se usam algum tipo de blend), sem um teste químico apurado. É uma informação que faz falta e deveria constar no rótulo dessa linha ou no site da empresa.


Uma paleta clássica muito completa, assim como outras cores modernas de alto chroma, enorme assorteamento de espetaculares variações cromáticas de cádmios e cores transparentes. 99 cores em seu catálogo.





TOP 1
Michael Harding
Para a Cozinha da Pintura a atual Rainha das Tintas é a inglesa Michael Harding. A empresa foi fundada pelo artista britânico em 1982. A idéia era recriar tintas que não somente tivessem as cores da paleta dos Velhos Mestres mas como sua reologia e torná-las disponíveis em escala comercial. Os artistas mais prestigiados na Inglaterra costumam fazer encomendas na Harding, entre eles, David Hockney, Chris Ofili, Howard Hodgkin e dizem os boatos, Lucian Freud. A comunicação com a empresa é fácil e a mesma oferece abundante informação para o cliente, tendo cooperado com a Cozinha há pelo menos um ano, fornecendo muita correspondência e atendimento cordial, assim como material de divulgação e informação em forma de tabelas de cores e textos explicativos muito detalhados.

A paleta de cores da Harding é bem "pé no chão", oferecendo algumas alternativas cromáticas interessantes para os cádmios, terras e outras cores transparentes, permitindo um leque maior de possibilidades para quem gosta de cores clássicas. Destaque especial para as cores com precisão histórica, as quais Harding oferece um número surpreendente. Nesse quesito (cores raras e especiais) a Harding e a Doak são as campeãs, de longe. Muitos artistas contemporâneos procuram por pigmentos históricos que sumiram das prateleiras por inúmeros motivos. Antes da Doak e da Harding, a única opção era encontrar os pigmentos e fazer sua própria tinta. É um serviço fantástico pois obter alguns desses pigmentos esquecidos no tempo pode ser uma tarefa praticamente impossível em alguns casos.

Praticamente 80% da linha é mono-pigment
ária, com quase todo o restante sendo uma mistura de dois pigmentos e raramente três. Quase toda a linha é feita com óleo de linhaça refinado prensado a frio enquanto outras levam blends. Uma linha verdadeiramente elegante e praticamente perfeita, conta com 75 cores em catálogo.




Conclusão
Antes que os "puristas de plantão" e os "colecionadores de tinta" perguntem, sim, a Old Holland e a Blockx ficaram de fora do nosso TOP 5. Mas as mesmas entrariam num TOP 10. A análise de uma lista de tintas de primeira linha é difícil. Escolher entre a Harding e a Vasari para encontrar a TOP 1 foi algo que tomou pelo menos duas semanas, e exigiu muita discussão e especulação. Entendam que é possível que algumas cores dessas marcas muito populares (Old Holland, Blockx, Mussini, etc...) sejam superiores a algumas cores da Williamsburg ou até mesmo da Maimeri Puro, mas somente algumas cores.

E é exatamente por causa desse "somente" que as mesmas perdem pontos e caem na coloca
ção. Segundo nossos testes mais recentes, algumas (Old Holland e Blockx) estão gradativamente perdendo espaço para as tintas que agora ocupam seus devidos lugares no TOP 5, por uma queda de qualidade que vai desde proporção de veículo/pigmento, carga pigmentária, qualidade de pigmento, entre outros.

Lembre
m-se: se sua tinta favorita não está nessa lista, isso não quer dizer que ela não seja boa. A idéia dessa lista é mostrar o melhor do melhor, tintas exuberantes, que seguem um padrão de tinta artesanal, mas que em compensação estão numa faixa de preço muito elevada. Por exemplo, a Artist´s Oil da Winsor & Newton, que corresponde a uma tinta profissional de primeira linha, sendo uma excelente opção de tinta, mas no entanto, não se enquadra como uma tinta com moldes artesanais, e sim, um produto mais industrializado, feito para outras finalidades e para um perfil diferente de público. As tintas mostradas no TOP 5 são produtos voltados para um público extremamente exigente e de maior poder aquisitivo. O público da Artist´s Oil, ainda é um público profissional, exigente, mas que não pretende pagar altas somas por um tubo de tinta. Cada empresa direciona seu produto a um público, e isso não quer dizer que sua tinta não seja boa, muito pelo contrário.

Qualquer tinta que entre para o TOP 5 ou até mesmo o TOP 10 são exuberantes, produtos que superam a espectativa, mas que em compensação, custam muito mais. Imaginem então, tentar qualificar essas tintas especiais como "melhor" ou "pior". Escolher "colocações" numa lista como essa pode parecer um despropósito. Vejam, não há o que discutir sobre a quantidade de pigmento ou qualidade dos mesmos sobre essas tintas, de modo que o que faz uma marca melhor ou pior para detereminado artista pode beirar a especulação de suas preferências de corpo e disponibilidade de cores em seu catálogo, quesitos que não são absolutamente fundamentais para fazer de uma tinta melhor ou pior.

A qualidade das três últimas tintas, por exemplo, é tão notável que uma comparação entre elas é claramente influenciada por conta de "preferências pessoais". É importante que se tenha em mente que todas as tintas apresentadas aqui são sensacionais, e superam a expectativa de qualquer profissional, portanto, não há como errar na compra de qualquer uma dessas marcas, seja lá qual for sua posição em nosso TOP 5.


BIBLIOGRAFIA
LAURIE; A.P.; The Painter´s Method´s and Materials; Dover; 1967. 
MAYER; Ralph; Manual do Artista; Martins Fontes; 1950; 1957 e 1970.
DELAMARE; Guineau; Colors: The Story of Dyes and Pigments; Harry Abrams; 2000. 
AMIEN; Art Materials Information and Education Center; 2012.
VÁRIOS; Material promocional pertinente a cada marca analisada no artigo.


41 comentários:

  1. Marcio,
    No seu caso vc produz as suas próprias tintas não é mesmo???
    Em termos de qualidade,e em comparação com as importadas, produzir as próprias tintas (com a compra dos pigmentos) fica muito abaixo do que compra-las? E em termos de custo???
    Uso a Corfix, pois não tenho condições financeiras de adquirir uma importada...

    ResponderExcluir
  2. Olá Viviane! É uma matemática complexa essa. Fazer sua própria tinta pode ser mais caro ou mais barato dependendo da qualidade de pigmento que voce usará e depende de qual linha de tinta importada voce usará como comparação! Falando de modo genérico, fazer suas tintas pode sair um pouco mais barato do que comprar tintas profissionais não muito dispendiosas, se voce usar pigmentos de qualidade compatíveis com as mesmas. Leve em consideração que terá gastos com materiais de fatura e gastará tempo para fazê-las. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá Marcio.

    Tenho lido bastante o Cozinha da pintura, sempre venho aqui consultar os artigos.

    Como sou estudante, ainda não experimentei nenhuma das linhas profissionais citadas no artigo.

    Além da Corfix, tenho usado algumas tintas da Winson & Newton Artist's, Winton e Rembrandt - Talens. Gostei especialmente do amarelo cadmio da Rembrandt, pois achei muito intenso, quente e brilhante, justamente o que procurava.

    Em outro artigo onde você faz diversos testes, é mencionado que a Corfix é uma excelente opção de custo benefício. Outra coisa que me chamou a atenção foi sobre o artista escolher por cores com pigmentos puros.

    Aqui onde moro é complicado experimentar as marcas pois infelizmente só vendem Acrilex e Gato Preto, sendo que até a Gato Preto está difícil encontrar, ademais, comprar pela internet dificulta a escolha do pigmento. Dessa maneira, compro as cores por encomenda mas sem saber qual é o pigmento.

    O poder de pigmentação das tintas Talens - Rembrandt e Wilson e Newton - Artist's por exemplo me impressionou tanto que em instantes pensei "o barato sai caro". Em comparação com as marcas citadas no top 5, estas duas estariam muito abaixo ou a diferença não seria tão grande?

    Ultimamente tenho tido tempo para estudar bastante. Seria viável bandonar a Corfix e utilizar somente importandas aproveitando assim o embalo pra estudar pintura?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Ola Márcio, estou começando agora no mundo da pintura a óleo, e achei uma boa esse seu blog, com informações valiosas e dicas importantíssimas, tenho o mesmo problema do Leandro Martins, de usar apenas as tintas CORFIX E ACRILEX, não tivea oportunidade de usar tintas de qualidade superior, mas quem sabe possa, um dia.

    ResponderExcluir
  5. Olá Leandro! Obrigado por visitar a Cozinha!

    Vamos lá. A Corfix é uma boa tinta, com carga pigmentária suficiente para trabalhos com cores que permanecerão vivas e duráveis por muito tempo. Não há problema algum em fazer uso da mesma. A Winton é a linha estudante da Winsor & Newton, e algumas cores específicas dessa linha são tão boas quanto da Corfix, enquanto outras, são piores. É por isso que é tão difícil julgar qual linha é melho do que a outra, entende?

    Num outro patamar, voce tem a Artist´s Oil (também W&N) que é uma tinta profissional, assim com a Rembrandt, da Talens. Ambas possuem maior carga pigmentária, maior opções de pigmentos e melhor qualidade de pigmentos do que as tintas de linha estudante. São tintas fantásticas, especialmente a Artist´s que tende a ter um cuidado maior do que qualquer linha da Talens (Rembrandt, Amsterdan e Van Gogh).

    Num terceiro patamar, temos as linhas "premium", que por falta de um termo melhor chamaremos de "tintas de luxo". Essas tintas superam as linhas anteriores, e são feitas para artistas extremamente exigentes, que estão dispostos a pagar muito caro por um artigo de luxo. Isso não quer dizer que suas tintas da Artist´s Oil da W&N sejam ruins. Pelo contrário, são tintas sensacionais, que rendem mais do que as tintas de linha estudante.

    Respondendo sua pergunta: Sim, elas estão abaixo das tintas do TOP 5, mas isso não tira a qualidade das mesmas, que servem para pintar obras com brilho, intensidade e durabilidade MAIS do que satisfatórios, sendo tintas PROFISSIONAIS de grande excelência.

    Usando de uma analogia universal, e um tanto tola, simplificaremos tudo da seguinte maneira: Um automóvel Audi é um excelente carro de passeio, com bom desempenho, acabamento e funcionalidade. Certamente, é um carro melhor do que um Gol, por exemplo, que também é um automóvel muito bom. No entanto, o Audi oferece certas características "extras" que podem significar muito para certos motoristas, e podem significar absolutamente nada para outros. Todos cumprem a mesma função quando analisados friamente. As tintas do TOP 5 seriam, nessa nossa tola analogia, um terceiro tipo de automóvel, os "esporte" de luxo, como o Porsche ou a Ferrari. Ninguem precisa de um, mas todos gostariam de ter um desses em sua garagem.

    Entra aqui, um jogo de custo benefício, status, poética (agregada a simbologia dos materiais usados numa obra) e muitos outros fatores que somente voce como artista poderá calcular. Não acho necessário que troque a Corfix por nenhuma outra tinta. É mais do que satisfatória para fazer obras duradouras e muito intensas.

    Mas preste atenção se em seu trabalho voce NECESSITA maior poder de pigmentação, ou de cores que determinada linha não lhe oferece. Se esses são os casos, as linhas profissionais, como a Artist´s Oil ou até mesmo o Rembrandt são uma grandiosa opção.

    Espero ter ajudado!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá Imberto! Continue usando a Corfix, que é uma tinta muito boa, ao adquirir mais intimidade com essa tinta, mais para frente, tente mudar para outras marcas e ver como voce se adapta.

    Conheço pintores que não se importam nem um pouco com a tinta que usam, assim como pintores que exigem somente tintas premium e se recusam a pintar com qualquer outra. Tudo é uma questão de função, adaptação e gosto pessoal.

    O importante é ter cabeça aberta e experimentar de tudo! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. ... E onde ficam Lefrank; Windsor Newton; Schmienke; Rowney? Com todo respeito às demais...
    Walter Berner
    Artista Plástico
    http://www.berner-artes.com

    ResponderExcluir
  8. Olá Walter! Obrigado por ter escrito! Voce cita a Winsor & Newton e a Schmincke, note que essas marcas possuem duas linhas diferentes: uma linha estudante (Winton, Akademie) e uma linha profissional (Artist´s Oil e Mussini), na verdade a Schmincke ainda tem uma linha "intermediária" entre estudante e profissional que é a Norma. Apesar das linhas profissionais dessas marcas compreenderem tintas de primeira linha, ficam um pouco atrás das tintas desse TOP 5, que correspondem a linhas de tintas "premium", tintas que não passam por um processo de fabricação em larguissima escala, altamente indrustializadas (como as marcas que citou), e sim, são produzidas de modo mais artesanal, com maior atenção e particular cuidado com as cores disponíveis em seus catálogos. Imagine voce, que a Doak e a Harding produzem tintas com pigmentos raros, coisa que nenhuma das linhas citadas por voce se dispoem a fazer.

    Repito: isso não quer dizer que NÃO sejam tintas boas. Pelo contrário, são tintas MUITO boas, mas compará-las com as tintas introduzidas aqui não é algo adequado. São produtos com finalidades diferentes, processos de fatura diferentes, para públicos diferentes.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Grande artigo, cheio de informações úteis e detalhadas. O Cozinha da Pintura já se tornou um veículo formador de opinião no Brasil.

    Costumo usar as tintas Corfix na maior parte do tempo, mas quando tenho um extra sobrando, costumo comprar a Winton (muito boa) e quando tenho um pouco mais, a Artists Oil (espetacular). Se já gosto dessas marcas, que pelo que entendi aqui na Cozinha, são linhas profissionais, o que diria essas linhas "premium" apresentadas aqui...

    Mas como voce disse, tratam-se de tintas de luxo. Quem sabe, quando sobrar um extra, possa testar algumas dessas marcas?

    Um grande abraço a Cozinha da Pintura, e mais uma vez, valeu pelo grande artigo!

    Nilton Borale

    ResponderExcluir
  10. Olá Nilton e obrigado pelo seu comentário tão gentil. Vejo que voce entendeu muito bem o artigo. Fiquei um pouco apreensivo por uma crítica que fizeram ao mesmo, pois o crítico em questão não parece ter entendido que essas são tintas de luxo, extra especiais. Mas pela sua reação e por outras, vejo que se trata de um fato isolado.

    Recomendo que assim que possa gastar um pouco mais, compre uma dessas marcas. A Artist´s Oil que voce usa é uma grande tinta e até mesmo a Winton, sendo a linha estudante da W&N, também é bem satisfatória. Mas as tintas desse artigo, são realmente um sonho de consumo. Achei que os leitores gostariam de ler sobre esses tipos de produtos que nem todos podem se dar ao luxo de usar todos os dias! Quem me dera!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. Moro no interior e Rondônia e aqui a pintura se confunde com o artesanato. É de certa forma espantoso ver o que se valoriza por aqui. Os artistas plásticos da minha cidade quase não possuem conhecimento teórico, e nem se preocupam com isso. É bem evidente que que estamos numa região praticamente "esquecida" do Brasil, e a falta de informação é um reflexo dessa realidade.. O que eu realmente quero dizer é que blogs como este são muito importantes, principalmente pra pessoas que moram nestes rincões do nosso país, completamente esquecidos. Estou numa ilíada pessoal e solitária com o objetivo de me aprofundar no conhecimento das técnicas de pintura e do próprio conhecimento artístico. Não é fácil, ainda mais por não encontrar pessoas que levem isso a sério. Apesar da internet ser um lugar vasto, não é tão fácil achar conteúdo de qualidade e gratuito, como o que eu encontrei aqui. Muito obrigado mesmo! Ganhei o dia hoje por ter encontrado seu blog.

    ResponderExcluir
  12. Arnnon, primeiramente, obrigado pelos elogios.

    Mas não pense que nas grandes metrópoles a coisa é intensamente diferente. Pode ser melhor, mas está longe de ser um sonho. Também há pouca procura por material de qualidade, onde a maioria das pessoas são os hobbistas paisagistas que usam a pintura como meio de terapia. Nada de errado com isso, mas o problema é que a coisa fica somente nisso. E não é só falta de interesse do brasileiro em material de qualidade, mas a FALTA de material de qualidade.

    O grande segredo, é procurar material em outras línguas, como o Inglês, Italiano e Alemão. Nesse caso, a quantidade de material é muito superior.

    Fico contente que tenha gostado da Cozinha e que esteja usando a modesta pesquisa que temos aqui como forma de aprender mais um pouco!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Parabéns Cozinha...
    Morei no EUA quase 7 anos, mantinha um atelier lá na Flórida e com frequência comprava e me deliciava nas lojas de materiais de arte, passei a pintar com Acrílica, sem descartar alguns trabalhos em óleo, usando a W&N e Rembrandt... Mas de volta ao Brasil, e o estoque de tinta acabando, antes de comprar, ando pesquisando qual marca comprar, pois procuro qualidade, pois é fundamental para quem vive de arte... Obrigado pelas dicas... Sucesso sempre à vocês.
    Joarez Filho www.joarezfilho.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá Joarez! Obrigado por ter escrito! Fico contente em ter ajudado! Experimente qualquer uma dessas marcas citadas no artigo, é surpreendente!

    Sucesso e um forte abraço!!!

    ResponderExcluir
  15. Estou pesquizando o custo benefício, costumo comprar e preferir os tubos grandes de 150, 200 ml, saem mais em conta... Infelizmente a Michael Harding, Maimeru Puro, parece ter somente tubos de 40 ml disponíveis nas lojas com sites na internet. A Williansburg nos dá a vantagem de ter os tubos grandes, embora seja a 5a. no Top 5!!!

    ResponderExcluir
  16. Estou tendo grande dificuldade em encontrar para compra as tintas a óleo profissionais. Indicaria algum site no Brasil? Quase não tenho encontrado quem envie para o Brasil, em sites internacionais, e há o problema das taxas alfandegárias, tempo de entrega e até mesmo extravio de encomendas, o que já ocorreu. Espero que esta informação não seja incômoda, pesquisei bastante pela internet antes de perguntar aqui. Estou especialmente interessada nas tintas Maimeri Puro, Vasari e Michael Harding.

    Como você respondeu acima, mesmo nas "metrópoles" aqui é muito, muito difícil achar materiais de qualidade superior! Moro em Belo Horizonte e vou me virando com o material que encontro aqui, mas nas lojas o material considerado TOP que pode ser encontrado é no máximo Winsor&Newton e Maimeri Clássico! Raramente, a Rembrandt. Que não são ruins, é claro, mas não são extra especiais como as citadas.

    Espero posteriormente comprar estas tintas com mais facilidade no exterior. Arrependi-me muito este ano por ter estado em Florença e Paris e não ter comprado tintas de qualidade superior, se já tivesse lido este post iria com os nomes anotados (Florença pelo jeito é um sonho para comprar materiais de arte, existem lojas especializadas a cada esquina! Mas o ideal acho que é já saber de antemão o que procurar, o que não era o caso).

    Obrigada pela riqueza de informações, embora as descrições das tintas tenham me deixado com "água na boca" e exista a dificuldade estratégica de obtê-las :)!

    Lis

    ResponderExcluir
  17. Olá Lis, e obrigado pela mensagem simpática! Vamos lá...

    A Maimeri Puro pode ser encontrada na Casa do Restaurador. Já é uma opção fácil para voce encontrar e pedir via correio.

    A Michael Harding não é vendida em nenhuma loja, somente na loja de Michael Harding, basta entrar em contato. A Vasari é encontrada em ALGUMAS lojas nos EUA, principalmente na costa Leste. Mas é possível entrar em contato com a marca e pedir via correio. Quanto aos problemas de comprar via correio "overseas" não tem jeito: a taxa alfandegária é um fardo que tem de ser pago e é bem possível que os tubos amassem ou possam até extraviar. Infelizmente, ou paga-se as taxas e corre-se os riscos de extravio, ou viaje ao exterior para comprá-las, não tem muito jeito...

    Em Firenze a Zecchi é uma boa loja, mas as lojas norte americanas costumam ser BEM melhores em termos de quantidade de marcas quando comparadas as lojas européias. Na Europa, a melhor opção são a Maimeri Puro, Old Holland e a Blockx (nas linhas "premium" que voce deseja).

    Espero ter ajudado!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Ajudou muitíssimo. Obrigada! Vou entrar contato nas lojas indicadas.

    Abraço,

    Lis

    ResponderExcluir
  19. Legal Lis! Não deixe de contar sua experiência com as novas tintas aqui! Um abraço e boa sorte!

    ResponderExcluir
  20. Boa noite, Márcio!

    É impressionante a sua receptividade em se dispor a ajudar as pessoas que necessitam de certa coleta de dúvidas respondidas com muita eficácia. Parabéns pelos postes incríveis.
    Eu sou retratista e artista plástico e faço Desenhos Hiper Realistas com grafite e agora recentemente comecei a pensar seriamente em conhecer a pintura tinta óleo, e particularmente me surgiram umas séries de dúvidas devido a minha formação autodidata. Gostaria muito que você me extraísse duas dúvidas Márcio, pode ser?- Bom, eu gostaria de saber qual é a melhor marca de tinta que devo utilizar, sendo que a minha intenção á de fazer pinturas hiper-realistas com tinta óleo? Você poderia também me indicar qual séria a melhor marca de pincel para essa técnica que estou querendo apostar?

    Desde já agradeço!

    ResponderExcluir
  21. Olá Maurício. Agradeço suas palavras muito gentis. Infelizmente já não tenho tanto tempo para responder as perguntas e ultimamente tenho me dedicado quase nada ao Blog, infelizmente. Raramente respondo as perguntas. Voce pode comprar qualquer uma das marcas sugeridas no artigo acima. Se não encontrá-las, pode comprar a Artist´s Oil da Winsor & Newton. Boa sorte em sua nova empreitada e muito sucesso! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Muito obrigado Márcio. Vou tentar encontra-las as marcas acima, caso eu não encontre eu vou Comprar a Artist´s Oil da Winson e Newton. Muito grato por tirar minhas dúvidas e eu entendo a sua falta de tempo para responder formuladas perguntas. Muito obrigado pela força, de fato eu desconheço a pratica, mais vou dar o melhor de mim como sempre.

    Muito obrigado, aprendi muito lendo seus postes. ^^

    ResponderExcluir
  23. olá muito bom o post sobre tintas premium, eu adquirí tintas da maimeri puro na casa do restaurador, e realmente são tintas fantasticas, infelismente as outras não sao vendidas em nenhuma loja no brasil.

    ResponderExcluir
  24. Olá Anônimo! Grato pelas palavras. Infelizmente a solução é a compra via internet, com as taxas completamente irreais, injustas e corruptas das quadrilhas que governam nosso país. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  25. Olá. Eu acabei de ver um documentário sobre Lucian Freud, e deu para ver claramente nas imagens que ele usava tintas Winston & Newton. Abs

    ResponderExcluir
  26. Olá Marcelo! Como citado no artigo faço a afirmação embasada em fonte confiável de que o artista faz encomendas na Harding. Isso não quer dizer que ele não o fazia em outras empresas. No livro Freud at Work é possível investigar mais profundamente as marcas usadas pelo artista em certos períodos, oferecendo melhor fonte de pesquisa do que os três documentários disponíveis que mostram o ateliê do pintor. Voce deve no entanto lembrar-se que o artista sério vive em pesquisa, como na caso de Freud: isso quer dizer que está sempre aberto a experimentações. No mesmo livro, voce verá que, assim como TODO artista, ele faz uso de inúmeras marcas diferentes, sendo a Artist´s Oil (Winsor & Newton) a mais constante em sua bancada de trabalho. A W&N é a marca de mais fácil acesso no mundo inteiro, líder mundial em vendas, e obviamente sendo ele britânico, seria ingenuidade de nossa parte achar que ele nunca usaria a marca. Mas, NENHUM artista que tenha intimidade com as cores (e dinheiro para investir) usa a mesma marca para todas as cores. Como exemplo, gosto das terras da Maimeri Puro, mas nem sempre tenho dinheiro para investir nessa linha, portanto, acabo sempre levando algumas Classico deixando por comprar as cores mais importantes da Puro. No caso do Azul Cobalto, não compro de nenhuma marca que não seja da Old Holland ou da 1862 (Lukas). O próprio Michael Harding poderá lhe informar via e-mail que o Freud já encomendou várias cores com ele. O problema Marcelo, é que usar SOMENTE a Harding é extremamente dispendioso, daí a necessidade de investir em uma linha de tintas que não seja tão cara, mesmo para o caso de Lucian Freud. Abraço!

    ResponderExcluir
  27. Obrigado pelo esclarecimento, Marcio. Eu desconhecia o fato sobre a Harding, mas você tem razão - nada o impediria de usar outras marcas. Talvez você conheça essa história, mas no mesmo documentário comenta-se que cogitou-se proibir tintas à base de chumbo na Inglaterra, e Freud ficou tão desesperado que comprou todo o estoque de Cremnitz White da Winston & Newton - fato confirmado no site da empresa: http://www.winsornewton.com/six-famous-users-of-winsor-and-newton?lang=gb

    ResponderExcluir
  28. Oi Marcelo! O uso do Branco de Chumbo na verdade não foi proibido, mas uma série de leis que protegem principalmente os trabalhadores entrou em vigor, tornando o processo de fatura muito carp a todos os fabricantes. Existe uma lei para a proibição no varejo mas que ainda não saiu. O resultado foi que grande parte das empresas descontinuou essa cor, enquanto outras mudaram a formula da tinta colocando menor quantidade de chumbo. O resultado a longo prazo deverá ser o desaparecimento da tinta do mercado. Mas, por enquanto, ainda é possível encontrá-lo, embora com menor carga de chumbo quando comparado até o início dos anos 90. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  29. A Old Holland é uma das empresas que eliminou a cor de sua paleta, embora seja possível ainda encontrar a cor em algumas lojas, com boa concentração de chumbo nos tubos.

    ResponderExcluir
  30. Marcio, você poderia fazer uma correção, a Maimeri não usa óleo de linhaça na fabricação da tinta Puro. Você pode notar a diferença marcante no cheiro, óleo de linhaça tem um cheiro característico muito mais forte dos óleos que a Maimeri usa, sendo Cartamo e Papoula, com a preocupação no envelhecer da pintura, pois o óleo de linhaça amarelece muito rápido e altera a percepção de cor, principalmente nas cores frias.

    ResponderExcluir
  31. Oi Fábio! Voce tem razão. Esse artigo deu bastante trabalho e acabei me enganando quanto a essa informação. Eram muitas marcas pra lembrar de tudo na hora de organizar. Peço desculpas pelo deslize, já arrumei no texo e agradeço.

    Só uma pequena ressalva: embora muitos fabricantes digam que só usam óleo de papoula ou cártamo, a grande maioria que o fazem, usam também a linhaça, principalmente nas cores escuras. É o caso da Puro. Suas observações sobre o amarelamento e o cheiro são corretas, embora eu pessoalmente não ache que o cheiro seja radicalmente diferente (talvez voce tenha um olfato melhor do que o meu, o que é provavelmente possível).

    Esse artigo precisa ser inteiramente re-escrito, pois a formulação de muitas marcas mudaram. Dessa lista algumas cairam drasticamente de posição (caso da Puro) e outras que não entraram devem finalmente entrar no TOP 5.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  32. Oi. Tenho uma loja de material para pintura, e tenho grandes dúvidas em qual tinta comprar. Gostaria de ter 3 linhas de tintas. Uma Top, uma intermediária e uma básica. O que você me recomendaria? E hoje qual seria as 5 Top? e as 10 Top?

    ResponderExcluir
  33. Caro Anônimo, estamos preparando um novo artigo atualizado. Caso seja uma questão emergencial, costumo prestar consultorias particulares a lojistas referente a orientação comercial. Por favor, clique na área "Orientação Individual" no menu horizontal, no alto dessa página. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  34. boa noite amigos da cozinha da pintura, vejo muitos leitores procurando tintas do top cinco, e acabam por dizer que as mesmas não são encontradas em lojas virtuais no brasil,não fazendo propaganda mas apenas informando, a loja virtual da pintar tem disponivel varias cores da williamsburg e iclusivel o flake white ( branco de chumbo)grande abraço.

    ResponderExcluir
  35. A tinta "Gato Preto Premium" é mesmo uma premium ou é somente um nome fantasia?
    Péricles Lima

    ResponderExcluir
  36. É somente um nome fantasia. Assim como outras tintas que levam o nome "profissional" mas que na verdade são de qualidade "estudante".

    ResponderExcluir
  37. Olá, gostaria de saber se existe algum fornecedor de alguma dessas tintas top 5 aqui na cidade q eu moro Vitória-ES, ou quais lojas no Brasil vendem tais tintas p/eu comprar pela internet, pois pequisei "p/caramba" e só encontrei uma marca: a maimeri puro! agradeço a atenção aguardo resposta!

    ResponderExcluir
  38. Em Vitória desconheço. Em SP, a Pintar possui alguns tubos da Williamsburg e a Casa do Restaurador vende a Maimeri Puro. Abraço!

    ResponderExcluir
  39. Olá. comprei algumas williasburg e realmente são de distinta qualidade de pigmentação e aderência. Achei algumas tintas Holbein 20 ml com um preço excelente. Gostaria de saber se a Holbein utiliza resinas e solventes em sua linha de tintas óleo artisticas (no site eles só dizem que usam resina em um tipo de branco), como a linha Mussini da Schmincke. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  40. Olá Márdio! A linha da Holbein usa secante alquídico em alguns (ou em um só) brancos e nas cores que chamam de "Foundation Colors", usadas para se pintar underpaintings (só quatro cores). No restante, não há uso de secantes ou resinas. Abraço!

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!