quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Tecidos para Pintura a Óleo

Há uma infinidade de tecidos usados para a pintura. Tecidos que são usados desde antes da idade média, "testados" pelo tempo, e tecidos modernos que ainda são materiais "jovens". Teoricamente, qualquer tecido resistente as intempéries e que não apodreça fácilmente a longo prazo, elástico o suficiente para ser esticado no chassi, pode ser usado para a pintura . O tipo de fibra com qual foi feito o tecido constitui uma das características mais importantes para sua escolha, assim como a quantidade de fios usados em sua trama. Seria impossível listar todos os tipos de tecidos usáveis na pintura, portanto, listaremos os mais usados, avaliando também suas vantagens, desvantagens e as opiniões das instituições artísticas que testaram-os.

Comercialização
Todos os tecidos viáveis para a pintura podem ser encontrados para a venda por metro. Geralmente, a peça costuma vir de fabrica medindo desde 50 cm até 1,20 m., mas a medida mais comum é a de 80 cm. O tamanho varia dependendo da região onde a peça é comprada e também de acordo com o fabricante. Se voce decidir comprar, como exemplo, 30 metros de tecido, receberá uma peça que mede 30 m. x 80 cm. Para artistas que costumam trabalhar com obras grandes, com mais de 2m, é possível localizar fabricantes que disponham de rolos maiores do que 2 m. Vale a pena investir na compra de um rolo fechado, comprando em quantidade o preço pode melhorar.

Rolos de tecido


Tipos de Fiação e Espessura
Procurar por um tecido ideal somente pelo tipo de fibra pode ser uma experiência frustrante. Se adentrarmos uma grande tecelagem ou empresa importadora que comercializa tecidos, descobriremos que somente nessa empresa, apresentam-se uma variedade táo grande que cansáriamos de olhar um por um. A indústria de tecidos desenvolve tipos para todas as finalidades, e isso exige não só diferentes tipos de resistência, mas espessuras e texturas. É fácil encontrar amostras de algodão, linho, juta e qualquer outro tecido em várias espessuras, dos mais finos e leves até os mais grossos e pesados. Essas variações devem-se a quantidade de fios usados para tecê-los, compreendendo desde 20 fios por polegada até 200 fios por polegada dependendo do tipo de fibra. A variedade é tão grande que seria impossível fazer um guia compreensível. O melhor a fazer é olhar todas as variedades, esticá-los com a mão e entender como eles se comportam. Se são grossos ou finos demais, elásticos, duros, grosseiros, pesados, etc. Algumas características importantes de serem observadas são as seguintes:

Os tecidos grossos em demasia são difíceis de esticar no chassi, e oferecem muita resistência, além de deixar a tela ou painel muito pesado. Principalmente nos casos de telas que ultrapassam um metro, eles tendem a pesar em demasia. Geralmente, os tecidos grossos apresentam uma textura rústica e cheia de "buracos". Isso deve ser considerado, caso o artista prefira uma superfície mais lisa para ser usada como suporte. Nesse caso, para cobrir totalmente a superfície com gesso, é necessária muitas demãos, um tecido mais fino pode ser mais prático e econômico nesse sentido. Os tecidos grossos são geralmente usados por pintores que não fazem questão de uma superfície lisa pois pintam com empastes pesados ou por que gostam do resultado que a textura do pano dá.

Em contrapartida, os tecidos muito finos rasgam com facilidade e tendem a deformar quando esticados, "esgarçando" as fibras. Prefira tecidos de grossura mediana, principalmente para esticá-los no chassi. Para a encolagem do tecido sobre painal (veja post sobre bases para pintura e também o post sobre painéis) o tecido não necessita ser grosso, contanto que não apresente a trama muito aberta.

Teste da "Contra-luz"
Olhe atentamente a quantidade de fios usado no tecido. Aqueles com quantidade de fios insuficientes para a pintura tendem a ter "buracos" fácilmente visíveis quando colocados contra a luz. Essas "falhas" podem ser prejudiciais a longa prazo, pois são pontos mais suscetíveis ao movimento do tecido ao longo dos anos, e podem se abrir, aumentando a área, tornando-se um buraco maior, uma falha na superfície da pintura. Os tecidos devem ser suficientemente "fechados" a ponto de não mostrar nenhum orifício por onde a luz consiga passar em grande quantidade.

Teste de "Esticar"
Fazendo um simples teste de esticar o tecido com as mãos mostrará qual sua elasticidade. Tente deixar um espaço de 10 cm entre suas mãos e esticá-lo. Depois, aumente para uns 40 cm e veja como se comporta. Ele deve oferecer resistência o bastante para não deformar com muita facilidade o "desenho" da fiação. É difícil entender o "ponto" certo de resistência se voce nunca esticou uma tela. O melhor seria que o artista já tenha pelo menos uma experiência com a fatura do suporte, para conseguir avaliar se o novo tecido é adequado.

Quantidade de Fios
Algumas lojas especializadas dispoem de uma grande variedade de tecidos que podem ser escolhidos através do número de fios por centímetro quadrado ou polegada. Quanto maior o número, maior a resistência do tecido, mas isso não quer dizer que o artista necessite comprar o tecido com o maior número de fios possíveis. A melhor maneira de se escolher o tecido ainda é através do tato, ao esticá-lo com as mãos e do teste da contra-luz.

Tecidos Crús e Tingidos
Alguns tecidos são tingidos, e a cor mais usada é o branco, embora alguns tipos de algodão tenham essa cor naturalmente. Tenha certeza de adquirir o tecido crú, ou seja, sem nenhum tipo de tingimento ou processo de tintura que dê cor. O linho, juta ou cânhamo em sua natureza crua são de cor escura, de um cinzento levemente amarelado.

Tecidos "Preparados"
Alguns fabricantes já comercializam esses tecidos de forma "preparada" para telas. Isso quer dizer que receberam uma mão de gesso acrílico, ou outro tipo de "base" (veja post sobre bases). Inúmeros artistas adquirem esses tecidos e pintam diretamente sobre essa "base pronta". Outros, dão uma nova demão de base por cima dessa, por inúmeros motivos. Alguns acreditam que essa base não é suficiente para isolar a pintura do tecido, outros, querem cobrir o desenho, e a "base pronta" geralmente é muito fina e "rala". Existem ainda aqueles artistas que se recusam a adquirir o tecido já preparado, e somente adquirem em seu estado crú, sem nenhum tipo de preparação, ao natural. A opção por usar ou não usar um tecido "preparado" dependerá de qual resultado voce desejará para sua obra, ou, o quanto voce confia na "preparação" já existente no tecido.

Tecidos da Antiguidade
Juta
O tecido chamado de Juta é encontrado em quase todo o mundo. Parecido com as propriedades do algodão, a Juta geralmente é um pouco mais rústica, mais escura e tende a aparecer no mercado com tecidos de trama muito larga, aparecendo diversos buracos indesejáveis. É possível encontrar tecidos de Juta que possuem a trama bem fechada, parecida com algumas tramas encontradas no linho, apresentando excelentes caracterícticas para a pintura.


Tecidos de Juta


Dependendo do fabricante, seu preço tende a ser similar ao do algodão, ou mais em conta. Muitos artistas preferem a Juta pois encorporam o desenho da fiação a obra final, pintando de maneira lisa, deixando-o transparecer. Os tecidos de Juta tendem a oferecer "amarras" entre os fios formando desenhos bem diferentes do tecido de algodão, que aparecem de longe.

Cânhamo ou Hemp
Feito a partir das fibras da planta Cannabis, era um tecido usado amplamente na idade média, pela facilidade do plantio, pela velocidade espantosa de seu crescimento e por seu preço baixo. Além dessas vantagens, a fibra do cânhamo é tão resistente e elástica quanto a do linho, e era considerada uma das melhores fibras para cordas, roupas e telas. Várias obras famosas dos Velhos Mestres, como Rembrandt, Rubens, Vermeer e outros foram pintados em tecidos de fibra de cânhamo. Com a ilegalidade da planta, sua comercialização foi extinta.


Diferentes tipos de Cânhamo

Hoje, em alguns países europeus e até mesmo nos EUA, é possível, novamente, encontrar tecidos de câmanho apropriados para a pintura, seus produtores são filiados a orgãos governamentais que controlam a finalidade do uso da planta. Além de suas excelentes qualidades, o cânhamo é muito procurado pela questão ambiental, pois é um tipo de plantação cultivada em qualquer tipo de solo, não agride o ambiente, auto-sustentável, cresce bem com adubagem orgânica (sem agrotóxicos), não exige máquinas poluentes para colheita, aproveita-se 100% de seu material biológico e outras propriedades ambientais notáveis. É a opção do artista ambientalista! A empresa Hemp Traders é uma das mais famosas na comercialização de tecidos de câmanho para telas.

Linho
É o tecido para telas mais usado na europa e nos EUA, e o mais usado entre a pintura da antiguidade. Há um consenso entre artistas e restauradores de que o Linho é o único tecido aceitável para a fatura de suportes, preferêncialmente, o Linho da Bélgica. No entanto, gostaria de colocar uma certa ressalva: novamente, como em tudo na área dos materiais de pintura, é possível encontrar Linho de má e de boa qualidade, e o mesmo para qualquer tipo de tecido. É preferível confiar num tecido de Algodão que apresente bom número de fios por centímetro do que num Linho extremamente fino, principalmente se o tecido for usado para ser esticado no chassi e não colado em um painel.


Diferentes tipos de linho

O Linho tende a ser mais difícil de se esticar em telas do que o algodão, oferecendo maior resistência. É difícil tentar atribuir caracteristicas a esse tecido quando a variedade encontrada no mercado é tão vasta. Tive experiências diferentes com um rolo de linho que apesar de claramente ser mais resistente do que as peças de algodão, era muito mais elástico do que o algodão, tornando a experiência de esticá-lo no chassi algo muito fácil. Meses depois, uma peça diferente de linho ofereceu tanto trabalho para ser esticada, e tanta resitência, que a ferramenta de esticar telas (plyer) chegou a me ferir entre o polegar e o indicador durante o procedimento.

No entanto, sem sombras de dúvida, continua a ser o tecido mais usado da história e aquele que passou pelas provas do tempo. Se voce não gosta de arriscar, e pretende investir num tecido confiável, o Linho é sua opção. A empresa Utrecht é famosa pela qualidade e quantidade de tecidos de linho para artistas.

Tecidos Modernos
Algodão
No começo do séc. 20, o algodão começou a ser mais usado na pintura, e tornou-se o tecido padrão nos países menos abastados. Assim como o linho, o algodão oferece uma infinidade de tramas, desenhos, espessuras e elasticidades diferentes com a vantagem de custar muito menos. Tendem a não variar muito suas características quando comparamos o algodão usado para as telas prontas de lojas especializadas, não importa a marca, sempre serão muito parecidos. Difícilmente encontra-se com a trama fechada o bastante para resultar numa superfície de pintura mais lisa, tão procurada pelos retratistas e acadêmicos. É um trabalho penoso, para quem deseja pintar numa superfície lisa, livrar-se da textura de suas tramas, geralmente permanecendo através da pintura, principalmente nos casos de obras que foram pintadas de maneira muito lisa. Esse é uma das vantagens do linho sobre o algodão: é mais facilmente encontrado com tramas mais delicadas, tendo um aspecto mais "liso", com a trama bem fechada.


Tecido Misto, Lona (Algodão) e Linho


A "lona" é o mais famoso tecido de algodão usado nas telas prontas encontradas em qualquer loja de pintura. Amplamente comercializada como o tecido "mais apropriado para as telas de pintura". "Apropriado" é um termo subjetivo. Quem julga o que é apropriado é sempre o artista, e não a indústria ou o fabricante. Portanto, fica a cargo do artista se as características da lona são apropriadas para sua obra.

Uma segunda opção, a "lonita" é outro tipo mais incomum, pode ser encontrada feita de algodão puro ou misturada com outros fios. Essa é uma outra opção para artistas que desejam um tecido de trama mais fechada do que a lona, mas não tão caro quanto o linho. A lonita tende a ser mais fechada e mais elástica do que a lona, e em alguns casos pode lembrar a estética de superfície do linho.

Durante muito tempo, acreditou-se que o algodão era um tecido muito suscetível a absorção de humidade. Um tecido que absorve humidade facilmente pode apodrecer mais rápido e também sofrer alterações em seu tamanho, contraindo e expandindo, comportamento nada desejável a uma pintura. Portanto o linho ainda reina como o tecido ideal nas artes.

Com a evolução das investigações sobre materiais artísticos no campo da restauração, alguns pesquisadores chegaram a conclusões muito interessantes a cerca da "superioridade" do linho, significando uma boa notícia para muitos artistas. As estruturas de fibras do linho são mais longas que as do algodão, absorvem e expelem menos humidade, mas segundo estudos recentes do ICA Art Institute, concluiu-se que envelhecem de forma similar. Isso quer dizer que a longo prazo, ambos tecidos apresentarão as mesmas vantagens e desvantagens, colocando-os basicamente num mesmo patamar. Uma boa marca de tecido de algodão para telas é a Fredrix.

Polyester e Nylon
Os tecidos mais recentes a serem usados no campo da pintura são de natureza sintética, feitos a partir de derivados do plástico. Na teoria, sua caracteríctica que tende a ser pouco higroscópico, faz dos sintéticos os tecidos perfeitos para serem usados para a pintura. Isso quer dizer que são tecidos com baixo ou nenhum índice de absorção de humidade, fazendo com que as fibras não modifiquem seu corpo com as mudanças climáticas. No entanto, são materiais muito jovens, e ainda não oferecem resultados de longo prazo como suportes que possam ser estudados e avaliados, diferente dos tecidos naturais que possuem uma longa história dentro das artes. Portanto, apesar de na teoria tudo fazer muito sentido, pode ser que no futuro, estudos indiquem que o material apresente problemas diferentes das fibras naturais.

Uma das perguntas cruciais sobre o material é como ele se comportará em longo prazo em questão a aderência da tinta ao suporte. Por certo todos os tecidos usados antes (naturais) eram absorventes, mas os tecidos sintéticos não são absorventes, tornando essa mudança drástica de material algo sem precendentes. Teoricamente não há nada de errado, mesmo pelo fato de serem materiais tão diferentes, mas na prática, somente o tempo pode realmente provar os resultados. Sabemos como as telas de cânhamo e linho envelhecem depois de 600 anos, e até mais velhas do que isso. O algodão, sendo uma fibra natural, provavelmente não irá apresentar resultados tão díspares. No entanto, quanto tempo se passou desde que os primeiros artistas começaram a pintar em tecidos sintéticos? Cerca de 40 anos.

Mesmo assim, devido a lógica por trás de tudo, o uso desses tecidos cresce cada vez mais, principalmente nos EUA, mas ele deve ser usado por conta e risco. As formas mais encontradas de tecidos sintéticos, usadas para a pintura, são o polyester, nylon e o rayon, sendo o polyester o mais recorrente.

Existem muitos fornecedores de tecidos sintéticos para a fatura de telas, infelizmente as empresas mais tradicionais ainda não aderiram a sua comercialização, mas é provavel que isso mude muito em breve.

Tecido Misto (Sintético/Natural)
Algumas empresas fazem o uso da mistura de fibras para criar tecidos mistos, que geralmente envolvem uma fibra sintética e outra natural, para criar tecidos de vários tipos de resistências, texturas e elasticidade de maneira econômica. Esse tipo de tecido sempre foi visto da mesma maneira do que os tecidos sintéticos. Tive uma excelente experiência com um tecido 50% algodão e 50% polyester. Mais fácil de esticar no chassi do que o linho ou o algodão devido a sua elasticidade perfeita, muito resistente, muito leve, o desenho das tramas era praticamente nulo e o preço muito convidativo. Diversas telas foram pintadas nesse tecido e por muito tempo considerei como meu tecido predileto.

Novamente, o uso desse tipo de tecido, assim como os sintéticos puros, é por conta e risco do artista. Desde que ouvi algumas esparsas opiniões sobre esse assunto, começei a ter certas ressalvas quanto ao seu uso. Um dos pesquisadores da ICA Art Institute é da opinião de que os tecidos mistos de algodão e polyester são os piores a serem usados. Teoricamente, a mistura de diferentes fibras gera absorção desigual criando tensão nas fibras.

Nenhuma de minhas telas, até o presente momento, sofreu quaisquer sinais de alteração, sendo a mais velha de quatro anos de idade, muito jovem para qualquer tipo de especulação.

Longevidade
É muito importante lembrar que apesar de todos os estudos nos apontar científicamente quais os materiais mais adequados, temos de nos lembrar de dois pontos de relevência:

1. Os estudos ficam cada vez mais profundos e novas informações podem vir a tona. O que era certeza pode deixar de ser num piscar de olhos.

2. A opção certa pelo material certo não é garantia de longevidade. Muitos fatores entram na lista de coisas que causam dano a uma pintura. Usar o mais caro linho belga como tecido de tela não é garantia de que sua pintura irá durar. Alguns artistas possuem telas do algodão mais em conta do mercado e que mesmo após 50 anos apresentam excelentes condições.

Há a apossibilidade do dano não estar relacionado com a qualidade ou procedimento do material, como no caso do tecido, mas sim, com o que se faz com esse material, isto é, como a tela é esticada, como se aplica a base de gesso, como a obra foi pintada e outros procedimentos.

Conclusão
As chances dos tecidos sintéticos serem de fato a melhor opção para a pintura são grandes, no entanto, ainda é necessário uma confirmação das instituições responsáveis por esses estudos, algo que ainda levará algum tempo. Até lá, recomendo que encomendas e trabalhos sérios, com disponibilidade de maior gasto com seu custo, sejam feitos em linho, quando esticados em chassi, ou, opte pelos painéis e faça a encolagem de tecidos de algodão com boa quantidade de fios. Por hora, esses são suportes muito seguros e de qualidade.


BIBLIOGRAFIA
MAYER; Ralph; Manual do Artista; Martins Fontes; 1950; 1957 e 1970.
MOTTA, Edson; SALGADO, Maria; Iniciação a Pintura; Editora Nova Fronteira; 1976.
DOERNER; Max; The Materials of the Artist and Their Use in Painting; 1921.
EASTLAKE; Sir Charles Lock; Methods and Materials of Painting of the Great Schools and Masters; Dover; 1847.

25 comentários:

  1. BLOG EXCEPCIONAL!! PARABÉNS! JÁ ESTOU DIVULGANDO!!! OBRIGADO PELOS COMENTÁRIOS TAMBÉM! ABRAÇOS

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá Ancerg, obrigado pelo comentário. O Nylon na teoria é um excelente suporte. Só tenha certeza que não seja um tecido misto (natural/sintético). Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá, sou estudante de artes da eba-ufrj e seu blog e de grande ajuda para minha pesquisa.
    Estou passando um período em Campinas e não encontro uma boa loja de tecidos. Vc alguma pra me indicar em Campinas ou em São Paulo?

    Obrigado

    Abs.

    ResponderExcluir
  5. Oi Thiago! Fico contente em ter ajudado! Seja sempre bem vindo! Conheço muito pouco campinas, sinto em não poder ajudar, mas em São Paulo, um bom lugar para comprar tecido é na 25 de Março. O interessante d 25 é que voce encontrará inúmeras lojas que vendem TODO tipo de tecido, inclusive algodão crú de todas as espessuras e número de fios, assim como a lonita, linho e sintéticos. Não tem erro Thiago, só precisa de paciência, pois são muitas lojas mesmo. Boa sorte! Se precisar de qualquer coisa, estamos aqui! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Muito Obrigado.
    Será que abre aos sabados?
    O blog é muito bom, essa parte da cozinha da pintura sempre me interessou muito. tanto na confecção dos suportes, e nas tintas.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Não há de que Thiago. Sim, a maioria das lojas da 25 ficam abertas pelo menos até as 13:00. Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. ola boa noite gostaria de saber onde encontrar tecido ou lonita para telas,quanto custa.
    may.tay10@hotmail.com
    aldecio
    obrigado

    ResponderExcluir
  9. Olá Aldécio!
    Um bom lugar para comprar tecido é na 25 de Março. O interessante da 25 é que voce encontrará inúmeras lojas que vendem TODO tipo de tecido, inclusive algodão crú de todas as espessuras e número de fios, assim como a lonita, linho e sintéticos. Só precisa de paciência, pois são muitas lojas... Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Fala-me um pouco, por favor, sobre o nylon 600. Largura, preço, qualidade. Estas coisas. Obrigada. Vera Simon

    ResponderExcluir
  11. Olá Vera! O Nylon 600 é usado para fazer mochilas, estojos, bolsas e muitos outros artigos industriais. Tem textura bem áspera. De antemão, lhe digo que não me parece um tecido ideal para pintura a óleo. Note que é um tecido que pode perder a flexibilidade num prazo de 8 ou 10 anos... ficando quebradiço, principalmente quando esticado na tela. É um tecido mais indicado para trabalhos temporários, como a serigrafia. Se voce gosta de tecidos sintéticos, prefira os tecidos usados na indústria de velas náuticas. Não faço idéia do preço do produto. Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Fantástica essa matéria! Infelizmente ainda temos que nos basear, quando falamos em qualidade, em materiais quase sempre importados, dificultando assim a aquisição! A realidade do linho acredito ser um pouco distante da realidade do artista brasileiro! Parabéns pela matéria!

    ResponderExcluir
  13. Muito bom Márcio... Termino chegando ao site da "Cozinha da Pintura" cada vez que procuro algo sobre técnicas artísticas na web! Parabéns!! Conteúdo fantástico!

    ResponderExcluir
  14. Novo por aqui! Muito obrigado por todas as informações! Já pensou em fazer um workshop sobre esse tema de fabricação de telas? Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Olá Pedro! Obrigado e bem vindo! Na verdade, preparar as telas não tem muito segredo. A não ser que voce queira montar um comércio que abasteça as lojas, nesse caso, um Workshop seria de fato interessante. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Oi Márcio, hoje eu li no blog do pintor Mitchell Albala um comentário no post (Framing Options for Paintings on Unstretched Canvas or Paper), o uso de Arches oil paper 300g (canson) substituindo o tecido, pintado com tinta a óleo e depois de seco, colado no painel com Liquitex acrylic. Qual é a possibilidade disso funcionar? Pois me parece um procedimento frágil e pouco comum, mesmo o papel sendo impermealizado e até lixado atrás para criar mais aderência. Mas se for viável seria extremamente econômico pois se não der certo a pintura só se perde o papel.
    Grande abraço,
    Luciano Reston.

    ResponderExcluir
  17. Oi Luciano! Tenha em mente de que qualquer suporte de papel é mais indicado para estudos. Mas nesse caso, tem uma preparação um pouco mais cuidadosa. A maioria dos pintores pinta diretamente no papel, sem nenhum outro cuidado e guardam os trabalhos. Não acho que esse seja um procedimento 100% (mesmo por que a grande maioria não é), mas é um suporte durável, principalmente pela gramatura do papel (300gr) e pela preparação já contida no Arches óleo. Eu usaria sem nenhum problema. Talvez uma leve imprimatura de gesso acrílico pode ser uma boa idéia para reforçar a proteção ao papel, ou até mesmo de alguma cola animal ou PVA, ANTES da demão de óleo. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Maravilha Márcio! O papel que eu pretendo usar é o Figueras oil acrylic de 290gr (canson) por cima do compensado naval de 2200 x 1600 x 10mm (que você já tinha me indicado) e onde eu comprei cortam na hora, eles tem um programa que vai somando até totalizar o tamanho total da placa que é de 2200 x 1600 (a venda mínima é por unidade de placa). E sobre o chassi o melhor que me indicaram foi o cedrinho mas um amigo meu marceneiro disse que o chassi só seria necessário para placa de 10mm maiores de 70 cm quadrados pois medidas menores não empenariam. Para a encolagem e o primer comprei o GAC 100 da Golden mais o gesso acrílico.
    Obrigado Márcio!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  19. Luciano, o GAC 100 da Golden é excepcional, um dos produtos mais vendidos da Golden. Boa sorte com os suportes! Abração!

    ResponderExcluir
  20. Gostei demais deste site. PARABÉNS PESSOAL, ESTAVA PRECISANDO DESSAS MARAVIHLOSAS DICAS.

    ResponderExcluir
  21. fenomenal de amplo conhecimento para fabricantes como e eu artistas bem esclarecedor
    parabens pelo blog

    ResponderExcluir
  22. muito interessante comprei 2 metros de linho sintético aqui vou fazer um teste
    vou esticar 2 telas se eu gostar sou vou usar isso mesmo agora só o tempo vau me dizer se vai durar mas ate la eu jã morri kkk o que você Cozinha da Pintura deste tecido

    ResponderExcluir
  23. Olá Saraiva! "Linho Sintético" pode ser uma infinidade de coisas. O fabricante define qual a natureza EXATA da matéria sintética?

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!