quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O Estudo dos Materiais e Técnicas de Pintura

Logo no início de meu percurso acadêmico, percebi que dentre as inúmeras possíveis linhas de estudo das Artes Visuais, as mais almejadas são a da produção artística em sí, a arte educação, a curadoria, a crítica de arte ou a restauração. No entanto, é comum escutar nas instituições, que o estudante de artes é antes de tudo, um pesquisador. A carreira acadêmica, como pesquisador em artes visuais, pode certamente ser trilhada junto com qualquer outra de suas ramificações. Por isso, juntamente com algumas atividades da esfera da artes sigo paralelamente numa pesquisa a qual dedico grande parte do meu tempo. E que no fim, penso estar se tornando, sem querer, meu campo de expertise.

Trata-se da pesquisa sobre a história dos materiais de pintura, assim como o comportamento dos mesmos. É correto afirmar que a restauração e a museulogia também analisam essa área, no entanto, minha pesquisa é mais voltada para empregar essas informações nas ações artísticas em sí, ou seja: o estudo da história e dos procedimentos artísticos para que artistas possam re-descobrir materiais, procedimentos e técnicas do passado, e para que possam fazer uso desses conhecimentos aplicados a suas produções contemporâneas. 

A restauração, apesar de ser uma área que bebe nas mesmas fontes, é voltada para a aplicação desses conhecimentos no resgate e conservação de obras de arte, principalmente dentro de instituições públicas ou privadas, voltadas a um patrimônio cultural, ou acervo. Meu enfoque é exclusivamente a pintura a óleo, e dentre os muitos assuntos possíveis, pesquiso principalmente óleos vegetais, resinas naturais e sintéticas, cargas inertes, pigmentos naturais e sintéticos, fatura artesanal e industrial de tinta, suportes, criação de paletas e técnicas pictóricas diretas e indiretas, tanto na antiguidade como na contemporaneidade.


Mediums: Estudo de reologia


Existe hoje, um crescente interesse no estudo dos materiais e procedimentos artísticos da antiguidade para sua aplicação em procedimentos contemporâneos, principalmente nos EUA. O interesse em um tipo de pintura figurativa e artesanal, onde a práxis volta novamente a ser foco de importância, movimenta o mercado norte americano, e faz florescer uma rica fonte de informação que compreendem livros, publicações, artigos acadêmicos, revistas especializadas, cursos, workshops, blogs e websites. 

Artistas, restauradores e entusiastas de todo o mundo, formados em grandes instituições de ensino, assim como autodidatas e amadores, lançaram-se na tarefa de pesquisar e compreender melhor seus materiais, na tentativa de alcançar novas possibilidades expressivas em sua produção. Apesar de alguns artistas e galeristas terem a opinião de que uma volta a práxis e a artesania do ateliê seja uma ofensa as atividades artísticas contemporâneas, é inegável que esse despertar para a "volta" da artesania seja um reflexo provocado pelo próprio estimulo e contato com a arte moderna e a arte contemporânea. Essa "volta ao passado", ao meu ver, é tão contemporâneo quanto as instalações e performances que vemos em todo lugar: uma manifestação cultural legítima, alimentada pelo contexto de nosso tempo.


Expressividade: Comportamento de diferentes receitas


O problema é que o mercado, instituições e todo o circuito artístico se fecharam durante muito tempo para essas informações. Encontrar material que analise e explique as antigas práticas de pintura, assim como orientadores e profissionais do ensino, dentro de faculdades, que tenham essas informações, é um trabalho árduo. Com o advento da globalização e da internet, artistas e entusiastas das antigas formas de pintura tem encontrado meios de acessar essas informações, onde uma grande troca de experiências acontece, em prol dessa pesquisa.

Livros e publicações raras assim como experimentações práticas e teóricas de artistas de todo o mundo, acadêmicos ou não, estão sendo trocadas e analisadas por todos aqueles que se interessam pelo assunto. 


Proponho que esse modesto blog seja mais uma dessas fontes, formando um grande compendium que torna minha pesquisa acessível a todos os artistas que porventura possam usufruir dessas informações em benefício de sua arte. Desde já, estou a dispor de todos os pesquisadores, artistas, restauradores, químicos e entusiastas que desejarem partilhar informações sobre esse campo fascinante para ampliar nossos horizontes.


Grande Abraço!

27 comentários:

  1. A internet precisa deste site e os artistas também. parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço muito suas palavras generosas Fernando. Já estou devendo mais atenção ao Cozinha há algum tempo. Tentarei colocar isso em dia ainda esse ano! Um forte abraço!

      Excluir
  2. Parabens marcio, pelo artigo, concordo pelnamente com você, principalmente com relação ao desvinculamento dessa alquimia das academias de arte. abraço Gilberto

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Gilberto! Pois é, essa ligação está novamente sendo estabelecida, e muitos artistas ao redor do mundo estão voltando a prestar mais atenção em todo o conhecimento perdido da pintura antiga. Nada pode matar a pintura clássica, ela é imortal. Não importa o quanto tentem! Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  4. Gostaria muito de saber, qual a melhor tinta óleo que existe no Brasil?

    ResponderExcluir
  5. Olá Ed! Obrigado por escrever! Atualmente, a melhor linha de tinta óleo brasileira é considerada por muitos artistas a Corfix. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Márcio, sempre que estou na Net dedico um tempo para ler seu blog. Sou estudante de Licenciatura em Desenho e Plástica da Ufba e aluno do Atelier Dias do Artista Gilberto Dias Filho.
    Você tem infomações sobre a qualidade das telas fornecidas pela Paris Telas?
    A empresa fica em Santa Catarina e fornece para diversos locais do Brasil.

    Meu e-mail: evaldoart7@gmail.com

    Fico grato,
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  7. Olá Evaldo! Obrigado por suas palavras. É um prazer recebê-lo á Cozinha!

    Não me lembro de ter comprado telas dessa marca. Nem tenho certeza de que elas são vendidas aqui em SP. Talvez um dos leitores possa nos informar.

    A maioria das telas é de qualidade duvidosa, principalmente quando feitas em tamanho grande. Tenho tido resultados mais satisfatórios mandando fazer os chassis num marceneiro, usando madeira "caixeta".

    Um grande abraço e seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  8. Seu Blog é um autorretrato da pessoa que você é, do que aprendeu e realiza em vida com paixão.
    Autografe sua assinatura com excelência! Parabéns. Henri Badr

    ResponderExcluir
  9. Caro Henri, fico emocionado com suas palavras. Quando resolvi tornar minha pesquisa pública, não imaginava a proporção do retorno. Faço com muito carinho. Só não faço questão de assinar embaixo pois acredito que o conhecimento da Cozinha da Pintura não é ou foi feito por UM só, mas por MUITOS, através de centenas de anos.

    Um forte abraço e obrigado por ter escrito.

    PS: Recebi seu e-mail, e vou respondê-lo assim que chegar no ateliê.

    ResponderExcluir
  10. Ola, Marcio
    Achei o blog hoje e fiquei muito satisfeito em encontrar resposta a duvida que tinha referente a esbatimento. Aproveitei e li os textos Tecnicas de Camadas I, II e III. Nem preciso dizer que ja me programei para ler todo o blog, desde a Introducao ate o ultimo topico. Sera um excelente acrescimo as aulas do curso basico de pintura a que estou assistindo no SESC Pompeia, sob orientacao do tb excelente prof. Eurico Lopes. Mais para frente, quando estiver mais adiantado na minha teoria e pratica, gostaria de assistir alguma aula ou palestra sua.
    Parabens pelo blog!

    ResponderExcluir
  11. Olá Ivan! Agradeço suas palavras gentis e fico muito contente que use a Cozinha como fonte de conhecimento! Temos alguns cursos, todos com precisão histórica, e Workshops. Fique ligado em nossa agenda de eventos! Receberei voce com muito prazer! Um grande abraço e obrigado por seu comentário!

    ResponderExcluir
  12. Olá Márcio,
    Estudando conceitos de cores , tintas e suas relações, e aplicações na pintura, encontrei o seu blog, que , acredito, irá de encontro aos meus anseios neste meu caminhar pelas artes plásticas como auto didata!
    Desde já, grato por esta sua iniciativa tão construtiva para todos!
    Esdras

    ResponderExcluir
  13. Obrigado pelas palavras Esdras. Um grande abraço e seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  14. Olá Márcio. Me espelho bastante em sua pesquisa brilhante que é praticamente uma inovação no Brasil, um país que ainda não dá o valor necessário aos artistas.

    Sou arte educador e pesquiso as artes visuais, porém voltada para as artes cênicas, como é o caso da cenografia e o teatro de animação(marionettes) e isso acaba envolvendo desenho técnico, modelagem, escultura e pintura(acrílica). Já estive no Giramundo fazendo pesquisa e cursos: http://www.giramundo.org/

    Quando era criança, aos dez anos comecei ter contato com a pintura a óleo fazendo aulas particulares, mas me afastei porque sentia fortíssimas dores de cabeça por causa do cheiro das tintas, especialmente o óleo de linhaça.

    Depois que conheci o blog, decidi que voltaria estudar pintura a óleo, pois a pesquisa abordada no blog foi uma grande motivação.

    Obrigado por compartilhar um conhecimento de grande valo histórico, estético, cultural e técnico.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Fico muito contente que tenha achado o Blog e esteja aproveitando a pesquisa Leo. Interessante receber a visita dos mais variados tipos de profissionais. Leo, se o seu problema é o odor forte de alguns produtos, é possível pintar sem solventes. Procure aqui na Cozinha um artigo que fala exclusivamente sobre isso. Um grande abraço e obrigado por reservar um pouco de seu tempo para escrever seu comentário.

    ResponderExcluir
  16. Grato Pétala, agradeço suas palavras gentis! Um abraço!

    ResponderExcluir
  17. Caro Márcio, só há pouco tempo descobri este blog que foi um achado muito importante para mim. Estudo Pintura na Faculdade de Belas Artes do Porto, Portugal. Estou completamente descontente, apesar de estar indo cursar o último ano. Nunca estive de acordo com o método de ensino que nos é imposto. Gostaria de saber como é na universidade de São Paulo. Por acaso existem demonstrações de pintura, descrevem-se os métodos dos grandes mestres, fala-se em grisaille, verdaccio, brunaille, etc? Aqui nunca ouvi sequer os termos underpainting ou overpainting. Será que é só aqui que não ensinam nada de jeito ou é um método recorrente pelo mundo a fora? Obrigada por me responder e um abraço.

    ResponderExcluir
  18. Cara Deolinda,
    Isso não ocorre somente em Portugal, mas aqui na América do Sul, assim como em outros continentes. Isso é um reflexo da arte contemporãnea e das faculdades de artes, em todo o mundo. As faculdades estão voltadas para o ensino dos fundamentos conceituais e não práticos. Mas, aos poucos, tudo está mudando. Algumas faculdades estão voltando a oferecer disciplinas com maior foco numa prática artesanal, sem necessariamente deixar de ensinar a parte conceitual. Enquanto isso não ocorre nas faculdades e universidades próximas a voce, a única saída é procurar instrução prática fora da universidade.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  19. Nas Universidades e faculdades de São Paulo, o caso é exatamente o mesmo. Mas há alguns professores que abraçam a artesania como um veículo válido para o conceitual, sem nenhum tipo de preconceito. Talvez, seja o caso de voce encontrar algum professor com esse perfil na Universidade do Porto. Caso não encontre, sugiro que termine seu curso, mas procure orientação num ateliê independente. É importante que o artista tenha uma formação conceitual, mesmo fazendo uso de modos tradicionais.

    ResponderExcluir
  20. Olá Márcio, sei que é redundância repetir aqui os elogios que li nos outros comentários, mas faço meus todos eles. Muito generosa a sua disposição de compartilhar suas pesquisas e conhecimentos com todos os interessados no assunto. Sou artista gráfico e pretendo voltar às artes plásticas, especialmente à pintura, que pretendo praticar usando pigmentos naturais colhidos da terra, das plantas e do que mais encontrar com possibilidades de cor. Estou comecando a pesquisar esse assunto e gostaria de trocar informacões a respeito, pode ser?

    ResponderExcluir
  21. Obrigado Arthur. Os pigmentos minerais são os mais permanentes. Evite o uso de pigmentos vegetais ou animais, devido a sua impermanência. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  22. Olá Marcio.
    Que bom que você partilha seu conhecimento e paixão pela arte de forma tão espontânea. Normalmente o que vemos são blogs e sites estritamente comerciais. Também fiz algo semelhante na área da perfumaria. No momento estou dedicada ao aprendendizado sobre a arte das telas.Modestamente. Aqui me senti em casa...Abraço. Elisabeth

    ResponderExcluir
  23. Muito obrigado Elizabeth! Seu blog é muito interessante. Um área, de certa forma, irmã dos materiais de pintura. Todos alquimistas! Um grande abraço!

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!