quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Entendendo os Rótulos de Tinta a Óleo

Muitos artistas ignoram as informações contidas nos rótulos de tinta, mas elas nos ajudam a compreender  profundamente o produto a ser usado em nossas pinturas. É de suma importância compreender plenamente esses avisos, códigos e números, pois nos dão pistas sobre a qualidade dos pigmentos, sobre a competência do fabricante, se a cor que escolhemos irá se comportar da mesma maneira em marcas diferentes, e muitas outras razões vantajosas. Saber como ler as informações contidas nos rótulos (ou identificar a falta delas) nos poupa tempo, pode evitar procedimentos desastrosos e até significar economia. Foi com isso em mente que desenvolvemos esse breve tutorial. 

Pigmentos Tóxicos
Os selos de certificação da ACMI (Art & Creative Materials Institute) atestam conformidade do produto de acordo com a norma de padronização internacional D 4236 da ASTM (Standards Worldwide). Para produtos artisticos não tóxicos leva o selo AP (Approved Product), e para produtos que contém algum tipo de substância tóxica, o selo CL (Cautionary Label). A maioria dos produtos norte americanos passa por uma avaliação da ACMI, por isso, quando for adquirir um produto dos EUA, é sempre interessante procurar por esses selos, e caso encontre o selo CL, sempre usar o produto com bom senso e cuidados adicionais.



Approved Product e Cautionary Label


No caso de materiais europeus, alguns também são avaliados pela ACMI, comumente os britânicos. No Brasil, a maioria das marcas classificam todas as suas cores como produto tóxico, pois todas as cores, sem exceção, levam o aviso "Atenção: produto nocivo" ou "Manter a embalagem fechada e fora do alcance de crianças" em todos os rótulos, em todas as marcas. Talvez essas marcas considerem que o óleo de linhaça refinado a calor e os estabilizantes usados nas cores sejam nocivos a ponto de considerar tintas feitas com pigmentos não tóxicos como materiais nocivos.

Nomes Fantasia
As primeiras informações contidas nos rótulos é o nome da cor, que chamaremos de "nome fantasia" ou "nome genérico". Como exemplo, "amarelo ocre ouro". Abaixo do nome, nas marcas não provenientes de países de língua inglesa, é comum encontrar uma versão em Inglês, ou outra língua, para o nome da tinta.

Variações de Cores
Algumas cores, mesmo levando exatamente o mesmo nome, mostram surpreendentes variações de tonalidades. Tomemos o exemplo do "amarelo ocre". Existem duas versões para esse pigmento, uma natural e outra sintética. O mineral, encontrado na natureza, pode variar drasticamente, indo do amarelo esverdeado até o amarelo avermelhado. As formas sintéticas são mais parecidas, mas ainda assim, mostram diferenças. Em outro caso, como a cor "sombra queimada", algumas marcas usam combinações de vários pigmentos para "emular" a cor verdadeira, como a Corfix, que usa uma combinação de pigmentos sintéticos para emular esse pigmento mineral. O comportamento da tinta, nesse caso, é muito diferente daquele obtido com o pigmento natural. Portanto, lembre-se: só porque duas tintas de marcas diferentes levam o mesmo nome não é indício de que fazem uso do mesmo pigmento. Isso não quer dizer que sejam melhor ou pior, mas com certeza, diferentes. 

Nome de Componentes Químicos e Minerais
Geralmente, abaixo do nome fantasia, ou no verso do rótulo, encontram-se nomes químicos, como "Oxido de Ferro Sintético". São esses nomes que mostram quais os componentes químicos ou substâncias minerais que formam o pigmento. 


Nome químico


É importante reconhecer e entender as características inerentes a essas substâncias. No Brasil, nenhuma das marcas de tinta óleo traz em seus rótulos os nomes dos pigmentos. Isso é algo que muitos artistas brasileiros desejam há um bom tempo.

Código de Pigmentos
O segredo para escolher cores está sempre no código de pigmentos, e não nos nomes genéricos. Esses códigos são controlados e identificados pelo Index Internacional de Cores da SDC (Society of Dyers and Colourists). A maioria das tintas estrangeiras levam os códigos internacionais, que são de fato, as informações mais importantes para um artista. No Brasil, somente a Corfix faz uso dos códigos. Muitos artistas simplesmente deixam de comprar tintas que não possuem esses códigos, pois sem eles, não há como saber que tipo de pigmento existe na tinta, não há como adivinhar como ela se comporta, se é sintética ou natural, ou se a cor é formada por um único pigmento ou um conjunto de vários outros. Diga não para tintas sem códigos de pigmentos. Abaixo, veja como eles são, e como le-lôs.


Código de pigmento

Código:  PR254 

P = A primeira letra, sempre será um P, sendo que as tintas a óleo só podem ser feitas com pigmentos e nunca com corantes, pois os mesmos não são permanentes.
R = As letras após o P, sempre estarão relacionadas com a cor da tinta, nesse caso, Vermelho (Red). Em outros casos: Amarelo (PY), Azul (PB), Branco (PY), Preto (PB) e assim por diante.
254 = Os números identificam qual é aquela cor dentro do Index Internacional de Cores, ou, qual sua formula química.

A melhor forma de escolher sua tinta, e de reconhecer o pigmento desejado em outras marcas, é lembrando seu código do index internacional de cor. É muito seguro apostar nos códigos, pois existem poucas exceções a essa regra, como exemplo, o PR101, que corresponde a um pigmento que varia drasticamente sua cor dependendo de sua procedência, portanto nesse caso, é comum encontrar uma infinidade de variações muito diferentes que usam exatamente o mesmo código, PR101, mas as cores são sempre outras, variando de vermelhos claros até marrons escuros.

Transparência e Opacidade
Por incrível que possa parecer, alguns artistas ignoram que as tintas possuem muitas diferenças além de sua cor. A falta de conhecimento dessas diferenças pode levar a muita perda de tempo durante a execução de um trabalho. Existem tintas transparentes, semi-transparentes (ou semi-opacas) e opacas. 90% das marcas, nacionais e estrangeiras, levam no rótulo uma legenda que diferencia essa propriedade. No Brasil, somente a marca Águia não possui legendas nos rótulos. 


Legendas

A forma mais usada para indicar a transparência das tintas, é a legenda de um quadrado vazio para as tintas com pigmentos transparentes, um quadrado meio cheio (na transversal) para tintas com pigmentos semi-transparentes e um quadrado inteiramente preenchido para pigmentos opacos. É importante lembrar que uma tinta transparente certamente "cobre" uma área com mais dificuldade do que uma tinta opaca, pois a natureza do pigmento opaco oferece maior poder de cobertura. Ambas possuem finalidades distintas e não devem ser consideradas como melhor ou pior. As tintas transparentes são ideiais para veladuras, somando a nova cor com aquela que se encontra por baixo, criando um efeito ótico, enquanto as opacas servem para cobrir por completo, apagando áreas que devem "sumir" por debaixo da nova cor aplicada.

Permanência
Existem pigmentos que possuem grande resistência ao tempo, e que por muitos anos não mudarão, não apresentarão mudanças na cor. Outros pigmentos são particularmente sensíveis a luz e a mudanças de temperatura, e acabam por clarear, desbotar ou mudar de tonalidade. Esses, são pigmentos mais baratos, e que suprem a necessidade para tintas de artesanato ou que são empregadas em trabalhos feitos para durar pouco tempo. Hoje em dia, a maioria dos pigmentos modernos tem excelente permanência, mas ainda existem certas marcas que insistem em usar exceções a essa regra. 


Legenda de permanência

Para identificar as cores permanentes das cores fugitivas, diferentes marcas usam de diferentes sinais. Existem três diferentes "níveis" de permanência. Os níveis, ou índices de permanência, geralmente são identificados por estrelas, ou asteriscos. Três estrelas representa um pigmento de maior permanência do que 2 estrelas, e assim por diante. É o caso da Corfix, Gato Preto, Pebeo, Maimeri, Gamblin e muitas outras. Outras marcas usam diferentes símbolos, como "+" ou até mesmo letras (Talens), quanto maior a quantidade de símbolos, maior a permanência. Tintas que carregam um índice de permanência igual a 1 (um), são consideravelmente inpermanentes, e tendem a desbotar ou mudar de cor com muita facilidade se em contato com luz abundante. Os pigmentos com índice 2 (dois) também desbotam e mudam de cor, como o caso do "violeta escuro" da Corfix. As condições para que isso aconteça são extremas, mas a longo prazo, tudo é possível. É sempre melhor precaver-se, e usar somente pigmentos com nível de permanência 3 (três).

Veículo Usado
Algumas marcas costumam variar o veículo, ou aglutinante, usado para a dispersão de pigmento, isso é, o óleo usado na tinta. Caso não encontre nenhuma indicação no rótulo, é invariavelmente o óleo de linhaça alcalí (ou Alkalí), refinado a calor. Nos casos em que o óleo é outro, o fabricante costuma discriminar no rótulo qual é o óleo usado. As variações mais usadas são o óleo de papoula, nozes e cártamo, principalmente nas tintas brancas e cores claras. Nenhuma tinta nacional faz uso de veículo que não seja o óleo de linhaça refinado a calor.

Quantidade de Pigmento e Linhas Estudante/Profissional
Uma característica de suma importância é a relação pigmento, óleo, estabilizantes, adulterantes. Certas marcas que adicionam menos estabilizantes e adulterantes acabam por alcançar um status de tinta profissional, enquanto outras marcas usam menor quantidade de pigmento e grande quantidade de adulterantes, e são consideradas tintas de estudante.

Mesmo classificando as tintas entre estudante/profissional, dentro da linha estudante é possível encontrar tintas de qualidade e tintas de baixa qualidade, e o mesmo acontece na linha  profissional. De forma que algumas tintas de estudante possam se equiparar a algumas tintas profissionais, e assim o inverso. Como exemplo, algumas cores da linha Natural Pigments (profissional) se equiparam a algumas tintas da Winton (estudante), enquanto outras cores são melhores ou piores. Tintas da linha estudante que se comparem as de linha profissionais são mais difíceis, mas existem casos, como algumas cores da Maimeri Classico, que se equiparam a tintas profissionais com preços de linha estudante. Existem algumas cores da Corfix que se aproximam ao nível de qualidade da Mamieri Clássico, que por sua vez, é quase uma tinta profissional, enquanto em algumas outras cores, possuem receitas duvidosas, fazendo uso de várias misturas de pigmentos inadequados.

Portanto, não é correto afirmar que toda tinta de linha estudante não é recomendada, assim como entender que toda tinta de linha profissional é excelente. Infelizmente, nos rótulos não existem indicações das proporções de veículo/pigmento, levando o artista a ter de descobrir através de experimentação quais são as tintas com maior pigmentação.

A maioria das marcas estrangeiras possui duas ou três linhas de tintas a óleo. Como exemplo, a marca Talens possui três linhas de tintas: Amsterdam, uma tinta linha estudante; Van Gogh, uma linha intermediária; Rembrandt, na linha profissional. Cada uma possui considerável diferença de poder de pigmentação e em opção de cores, e entre algumas cores das linhas Amsterdam e Rembrandt é notável a diferença até mesmo no peso dos tubos.

Existem algumas marcas que excedem em qualidade, essas, não possuem paralelos, mas existem diferenças de qualidade de cor para cor mesmo nessa linha de tintas "excepcional" ou "premium". Não é necessário dizer que os preços dessas marcas são proporcionais a seu nível de qualidade. Alguns exemplos são a Michael Harding, Old Holland, Mussini e Vasari. As marcas brasileiras não oferecem linhas diferenciadas de tintas, talvez por que não haja público suficiente que esteja disposto a pagar caro por tintas de qualidade superior. No entanto, dentre as marcas encontradas no mercado, a Corfix é a que oferece a maior quantidade de cores, códigos de pigmentos nos rótulos, diferentes tamanhos de tubos e cores de qualidade estudante aceitáveis, portanto, é a mais indicada entre as marcas nacionais. 


Abaixo, uma conveniente lista de marcas de tintas importadas e as linhas as quais se encontram. A lista foi preparada de acordo com as pesquisas e experimentos pessoais do amigo e expert em tintas Jim Harris, dos EUA. Todas as marcas brasileiras se encontram na linha estudante, com exceção de algumas cores da Corfix. Em futuros posts pretendo analisar em profundidade as marcas nacionais.


Linha Estudante
Daler-Rowney Georgian
Talens Van Gogh
Permalba/Bob Ross
W&N Winton
Mamieri Classico (melhor da linha)

Linha Profissional
Zecchi
Da Vinci
Art Spectrum
Lefranc et Bourgeois
Richeson Shiva
Gamblin
Holbein
Sennelier
M. Graham
Talens Rembrandt
Daniel Smith
Winsor & Newton Artist´s Oil
Grumbacher

Robert Doak
Natural Pigments

Linha Premium
Studio Products
Blue Ridge
Williamsburg
Maimeri Puro
Michael Harding
Mussini
Blockx
Vasari
Old Holland


BIBLIOGRAFIA
LAURIE; A.P.; The Painter´s Method´s and Materials; Dover; 1967.
MAYER; Ralph; Manual do Artista; Martins Fontes; 1950; 1957 e 1970.
MOTTA, Edson; SALGADO, Maria; Iniciação a Pintura; Editora Nova Fronteira; 1976.
DOERNER; Max; The Materials of the Artist and Their Use in Painting; 1921.
EASTLAKE; Sir Charles Lock; Methods and Materials of Painting of the Great Schools and Masters; Dover; 1847.

34 comentários:

  1. Parabens pelo blog!Me ajudou bastante!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Excelente nível de informação do blog, especialmente este post.
    Você sabe informar se os vernizes com proteção UV melhoram a questão da permanência (lightfastness) comprovadamente?
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado Claudio! Respondendo de forma muito resumida, SIM. Existe um estudo recente de René de la Rie. Os sintéticos com proteção UV ajudam a dissipar a MAIOR parte da radiação ultra violeta, mas NÃO toda. Quanto mais grossa a aplicação melhor, com certo limite. A proteção no entanto diminui com o tempo. Recomenda-se removê-lo após 2 ou 3 anos e aplicá-lo novamente. Aguarde post sobre verniz!

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado pela informação e pelo post no meu blog :)
    Aguardo ansiosamente o post sobre verniz. Você pretende adicionar informações sobre tintas acrílicas e aquarelas?
    Existem tão poucas informações em Português. Se quiser, existem algumas boas indicações em blogs/sites de fora e posso repassar off-line (caso já não os tenha). Abraços e feliz 2011!

    ResponderExcluir
  5. Olá Claudio! Desculpe a demora pela resposta! Não pretendo analisar os materiais para aquarela, acrílica ou outros. Meu foco é a tinta óleo e a têmpera de ovo. Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Com certeza esse é o melhor blog do segmento.!
    Gostaria de saber onde posso comprar o Medium FLAMAND sem chumbo da Lefranc e Bourgeois aqui no Brasil? antes eu o comprava na Casa do Artista e agora ela não estar o importando mais.!

    ResponderExcluir
  7. Olá Anônimo! Obrigado pelo elogio! Se não me engano, escutei que a Casa do Artista e a Visitex não iriam mais importar materiais da LeFranc, mas posso estar enganado. Um amigo achou alguma coisa da LeFranc no piso inferior da Casa do Artista. Se vc gosta desse medium, pode valer a pena dar uma olhada. Não sei se a Pintar! importa LeFranc. No entanto, se não conseguir encontrar, recomendo que use o Neo-Megilp da Gamblin. É formulado com um espessante sintético que promove as mesmas características tixotrópicas (gel) como no Flammand da LeFranc, com as vantagens de ser um alquídico, e não a base de resina natural (Mastique), e mais barato. As chances desse medium (Flammand) serem iguais ao medium usado pelos Mestres Flamengos é nula. Portanto, se voce gosta da "sensação" do Flammand, é possível que goste do Neo-Megilp, ambos são uma versão sintética do Maroger. Nunca usei o Flammand, mas por ser a base de Mastique, é possível que seja mais "grudento" do que o Neo-Megilp. É uma questão de tentar. Se tiver alguma dúvida, escreva. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Valeu pela atenção e pelas dicas. Mas será que eu encontro o Neo-Megilp da Gamblin aqui no Brasil?
    A principal caracteristica que me faz gostar do medium flamand é a fixação rapida que ele dá a tinta.

    ResponderExcluir
  9. Não há de que. Sim, voce irá encontrá-lo na Casa do Artista. Não sei se a Pintar! importa produtos da Gamblin, acredito que somente a linha da Daler-Rowney de produtos auxiliares, mas não tenho certeza. É melhor ligar em ambas antes de sair de casa. Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Mas o Neo-Megilp da Gamblin tem essa caracteristica de fixação rapida ou "grudento" para pintar por toque como tem o flamand? Caso contrario me indique um a base de Mastique que possa ter essa fixação rapida.
    Abraço e obrigado pela atençao!

    ResponderExcluir
  11. Ambos são mediums tixotrópicos, em forma de gel, e ambos "prometem" se comportar como o Maroger, segundo ambas empresas (Gamblin e LeFranc). Não tenho certeza o que voce quer dizer com "fixação rápida", mas desconfio que deva ser o estado "semi-grudento" que a tinta começa a adquirir quando o medium começa a secar. O Neo-Megilp demora um pouco mais a secar do que os mediums com resinas naturais, mas a diferença é pouca. Caso queira simular exatamente o mesmo comportamento, retire um pouco do medium (Neo-Megilp) do frasco e deixe o na paleta pelo menos 20 minutos antes de começar sua sessão de pintura. Ele "fixará" a tinta, como voce diz, de forma mais rápida, parecido com o Flammand. Mais informações sobre o produto: http://www.gamblincolors.com/mediums/index.html

    ResponderExcluir
  12. Mais uma vez obrigado pelas valiosas informações. Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Não há de que Anônimo. Seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  14. Tenho observado em seu blog a procura dos mediums Flamand e Venetien da Lefranc.
    São encontrados na PINTAR em S.Paulo(www.pintar.com.br). Fale com o Ronaldo, um profissional que atende diretamente o artista.

    ResponderExcluir
  15. Apenas uma correção a tinta Talens (estudante) é a Amsterdam e não a Van Gogh.

    ResponderExcluir
  16. Olá Rogério. A Talens pode veicular informações de que sua linha "Van Gogh" não é uma linha estudante, mas ela é considerada como uma linha estudante sim, devido a baixa concentração de pigmento.

    ResponderExcluir
  17. Caetano, obrigado pela informação sobre a Pintar!

    ResponderExcluir
  18. Em Campinas não há esta diversidade de tintas. Aonde as encontraria em São Paulo?
    obrigado

    ResponderExcluir
  19. Olá Jurandir! Voce pode encontrar algumas dessas marcas nas lojas abaixo, mas a maioria das marcas citadas no artigo só serão encontradas no exterior.

    http://www.pintar.com.br/
    http://www.emporiomichelangelo.com.br/
    http://www.lukasdobrasil.com.br/
    http://www.acasadoartista.com.br/
    http://www.casadorestaurador.com.br/
    http://www.casadaarte.com.br/

    Acredito que todas essas lojas possam enviar o material pelo correio. Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Excelente texto. Conciso, bastante claro, de alto valor técnico e explicativo. Agradeço muito.
    Valeu!

    ResponderExcluir
  21. Obrigado Glyson! Fico contente que tenha sido útil a voce! Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Como falei antes, o site é maravilhoso, só estou sentindo falta de um tópico falando sobre pincéis.
    (Marcas, qualidade, tipos e particularidades de cada pelo e etc.)
    Teria como dar elaborar um tópico sobre o assunto?

    Um abraço, vocês estão de parabéns!

    Luciano Carvalho

    ResponderExcluir
  23. Obrigado Luciano! Estou realmente devendo um post sobre pincéis! Voce não é o primeiro a me cobrar isso! Está na lista das prioridades, pode deixar!

    Agradeço a sugestão! Um abração!

    ResponderExcluir
  24. Caro Márcio,

    é possível ou aconselhável trabalhar com cores de marcas diferentes entre si de maneira satisfatória?
    Infelizmente quase sempre não posso comprar todas as cores de uma mesma marca devido ao custo elevado (Rembrandt e Artist Oil), por isso compro apenas as cores que uso mais na linha profissional.
    Podemos mesclar as linhas profissional e estudante sem prejudicar a qualidade do produto final? Somando tudo (taxas, frete etc) sai mais barato importar as tintas direto do fabricante ou comprar por aqui mesmo?
    um grande abraço e obrigado pelo maravilhoso serviço que este espaço proporciona aos artistas!

    ResponderExcluir
  25. Caro Michel, é uma pergunta interessante e complicada de se responder de maneira objetiva. Sempre digo que as melhores tintas são feitas APENAS com UM pigmento, e não uma mistura de vários. Alguns artistas simplesmente não se importam em pintar com tintas de terceira linha que são feitas muitas vezes com 4, 5 e até 6 pigmentos. Para aqueles que não se importam, não haverá problema algum misturar qualquer cor a outra, mesmo que sejam de linhas ou marcas diferentes. Para os "puristas", que exigem todas suas cores monopigmentárias, seria interessante que observassem se outras marcas possuem pigmentos correspondentes a marca que costuma usar. Se voce usa uma tinta de um pigmento só e mistura a essa uma cor feita de 6 pigmentos estará com certeza corrompendo a qualidade da primeira. É uma questão complicada. Espero ter sido claro o bastante para resolver sua dúvida. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde! Procuro uma orientação: a empresa Daler-Rowney considera a Georgian como uma tinta intermediária entre sua linha "premium" (artist's oil color) e sua linha para estudantes chamada "graduate". Inclusive eles informam que a Georgian é fabricada desde o século XVIII, e que a "Artist's oil" foi apenas elaborada em meados do século XX, a partir de novas técnicas de fabricação, etc. Gostaria de saber, portanto, por quais razões (se é relacionada à qualidade do pigmento, ou a qualidade do medium, ou à quantidade de pigmento, etc.) o levaram a classificar a Georgian como tinta para estudante. Agradeço a atenção!

    ResponderExcluir
  27. Caro Igor, o fabricante "classifica" a linha de tinta com o nome que julga conveniente a ele. Isso não acontece somente com a Daler & Rowney, que possui uma linha "profissional" mas que chama de "premium". O importante é que, comparada a outras linhas, de outras marcas, ela é inferior, por uma série de motivos. Abraço!

    ResponderExcluir
  28. Conheço algumas cores dessa linha e o que falta para que ela seja de qualidade profissional é a concentração de pigmento (baixa em cores como sap green, terre verte, magentas e outras), uso de cádmios misturados (o amarelo contém PY35 - que é o cádmio real - e PY74 - que é um pigmento sintético) e o uso de alguns pigmentos impermanentes (PY1, PO34, PR170). Quanto ao uso de pigmentos impermamentes, a Daler-Rowney em sua linha premium (Artists') infelizmente comete essa falha ao manter a versão impermanente do alizarim crinsom (PR 83) e o injustificável amarelo de tratrazina (PY 100).

    ResponderExcluir
  29. Bom review, Natan. Obrigado e grande abraço!

    ResponderExcluir
  30. Caro Marcio,
    Infelizmente não encontrei o médium Neo-Megilp Gamblin no Brasil, nem na Casa do Artista e nem na pintar. Como moro no RN fica difícil saber alguma outra loja que venda esse médium.

    Cláudio

    ResponderExcluir
  31. Olá, boa tarde! Parabéns pelo site! Maravilhoso!
    Gostaria de saber se você pode me ajudar, estou precisando saber se a linha Maimeri Classico é de qualidade superior que a Corfix. Preciso comprar tintas, mas infelizmente não posso arcar com os valores das tintas importadas. A mais econômica que localizei foi essa linha da Maimeri.
    Obrigada,
    Abs,

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde. Algumas cores são bem similares, enquanto outras apresentam maior qualidade. Vale ressaltar que a cartela de cores oferece inúmeras cores que a Corfix não fabrica.

    ResponderExcluir
  33. Sensacional! Comecei a estudar pintura a óleo recentemente, e estava justamente procurando um artigo claro e que vá direto ao ponto sobre o que preciso saber sobre o rótulo das tintas. Conhecimento imprescindível! Obrigada por compartilhar esse artigo precioso. Abraços, Fernanda

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Devido a grande número diário de mensagens, limitamos o número de publicação de perguntas e respostas: sua pergunta poderá não ser publicada. Contamos com sua compreensão, obrigado!